o que fazer se atrasar o pagamento das parcelas?

As parcelas das operações desses produtos serão automaticamente debitadas na conta da sua empresa. Mas se por algum motivo, o pagamento da parcela atrasar, abaixo você encontra alternativas para realizar esse pagamento:

    Pague pelo Aplicativo Itaú Empresas no seu celular pela rota:


    Menu operações > renegociação > renegociar > selecionar o modo de pagamento, contrato(s) e tipo de quitação.

    Entre em contato com o seu gerente ou em nossa Central de Atendimento:
     

    0800-2542575
    (falar renegociação e em seguida escolher as opções 4 e 3)

Cliente Itaú usando o computador em um escritório

Não é possível renegociar estes programas

O Pronampe e Financiamento de Salários (BNDES) foram realizadas em parceria com o governo, já considerando o prazo máximo permitido pela legislação, 36 meses (Lei nº 13.999/2020 e Lei nº 14.043/2020). Dessa forma, o banco Itaú não pode realizar renegociações que estendam o prazo dos contratos para diminuir o valor da parcela.

No Giro FGI também foi considerado o prazo máximo definido pela política de crédito do Itaú (48 meses) e no momento não haverá extensão do prazo. 

o que acontecerá se sua empresa entrar em atraso?

Ela receberá algumas comunicações, como SMS e e-mail, lembrando que o pagamento deve ser feito. 

O atraso ou não pagamento das parcelas pode implicar em:

· Limites de crédito bloqueados/cancelados;

· Restritivo nos órgãos de proteção ao crédito (negativação);

· Apontamentos cadastrais no Itaú e Bacen;

· Processo judicial.

Cliente Itaú usando o app Itaú no seu celular em suas mãos

resultados dos programas

Veja alguns números e entenda o impacto de cada programa.

    Pronampe

  • adesão de 47.851 micro e pequenas empresas
  • R$ 3,87 bilhões disponibilizados
  • Giro FGI

  • 19.788 pequenas e médias empresas contrataram
  • R$ 15,5 bilhões oferecidos
  • Financiamento de Salários (BNDES)

  • 50 mil empresas utilizaram
  • R$ 2,9 bilhões em pagamentos de salários
  • 1 milhão de funcionários beneficiados
  • 136 mil folhas de pagamento iniciadas

veja mais algumas dúvidas frequentes

O Itaú entrará em contato com o cliente na tentativa de recuperar a parcela inadimplida e, dependendo do atraso no pagamento, poderá realizar a negativação do cliente e as medidas judiciais cabíveis para recuperação do crédito. 

Para o Giro FGI e Financiamento de Salários (BNDES), o Itaú realiza o débito parcial na conta corrente. Por exemplo, se a conta corrente estiver com saldo disponível de R$ 100 e a parcela for de R$ 200, ocorrerá o débito dos R$ 100 e os outros R$ 100 faltantes entrarão em atraso.

 

Para o Pronampe, o Itaú não realiza o débito parcial porque a taxa é pós fixada. Assim, se no dia do débito da parcela, a conta corrente não possuir saldo maior ou equivalente ao valor da parcela do contrato, não haverá o pagamento do empréstimo e a empresa entrará em atraso. 

Não, porque os programas determinam que os valores honrados pelos fundos devem ser reembolsados integralmente.

Sim e você ainda pode realizar o pagamento da parcela em atraso através desses escritórios. Você pode conferir quais são os escritórios que representam o Itaú clicando aqui (https://www.itau.com.br/empresas/renegocie/).