foto aéria de plantação

o que é CRA?

O CRA (Certificado de Recebíveis do Agronegócio) é um título emitido por instituições securitizadoras para financiar o setor agrícola.

como funciona o CRA?

A empresa que atua no agronegócio cede seus recebíveis para uma securitizadora, que os utiliza como lastro para emitir os CRAs. Ao investir, os recursos obtidos pelas empresas com os CRAs são destinados para financiar algum projeto ou atividade do setor agropecuário e você recebe o valor investido mais a remuneração contratada.

cliente itaú uniclass sorrindo enquanto usa o celular na rua
Cliente Itaú sorrindo e olhando celular enquanto segura copo de café na rua

mercado primário

Você pode investir em CRA por meio de ofertas públicas. Leia o prospecto antes de aceitar a oferta, em especial a seção “fatores de risco”.

mercado secundário

Você pode comprar ou vender CRA de outros investidores pelo mercado secundário. Dependendo das características da oferta pública, somente investidores qualificados (conforme definição da CVM) poderão negociar os CRAs em mercado secundário.

mãos de cliente Itaú mostrando algo no tablet

comece a investir em CRA

Para começar a investir, você deve ter uma conta na Itaú Corretora.

correntista

Se você já é correntista Itaú, basta completar suas informações.

não correntista

Se você não é correntista Itaú, faça seu cadastro na Itaú Corretora.

dúvidas frequentes

O CRA é um investimento que não conta com a garantia do FGC (Fundo Garantidor de Crédito). Além disso, há alguns riscos envolvidos ao investir, como:

Risco de crédito: é a possibilidade de as obrigações financeiras assumidas no âmbito dos CRIs não serem cumpridas.

Risco de liquidez: normalmente, os prazos de vencimento do CRA são longos e se você quiser vender seu título, poderá ter dificuldades para encontrar um investidor que queira comprá-lo.

No âmbito de uma oferta pública, leia o prospecto antes de aceitar a oferta, em especial a seção “fatores de risco”.

O CRA não é recomendado para os perfis de investidor conservadores.

 

 

De acordo com a ICVM 539, no artigo 9º-B são considerados investidores qualificados:

I – investidores profissionais;

II – pessoas naturais ou jurídicas que possuam investimentos financeiros em valor superior a R$ 1.000.000,00 (um milhão de reais) e que, adicionalmente, atestem por escrito sua condição de investidor qualificado mediante termo próprio, de acordo com o Anexo 9-B;

III – as pessoas naturais que tenham sido aprovadas em exames de qualificação técnica ou possuam certificações aprovadas pela CVM como requisitos para o registro de agentes autônomos de investimento, administradores de carteira, analistas e consultores de valores mobiliários, em relação a seus recursos próprios; e

IV – clubes de investimento, desde que tenham a carteira gerida por um ou mais cotistas, que sejam investidores qualificados.

Art. 9º-C Os regimes próprios de previdência social instituídos pela União, pelos Estados, pelo Distrito Federal ou por Municípios são considerados investidores profissionais ou investidores qualificados apenas se reconhecidos como tais conforme regulamentação específica do Ministério da Previdência Social.