acessibilidade

fechar

destaques ESG

Confira aqui as principais novidades de sustentabilidade

 

project carbon

Itaú, CIBC, NAB e NatWest se unem para lançar piloto para comercialização de créditos de carbono no mercado voluntário

 
 

plano Amazônia

Conheça as nossas iniciativas

 
 

Itaú BBA lança produto para mercado de construção sustentável

 
 

Itaú Unibanco anuncia R$ 400 bilhões para desenvolvimento sustentável

Saiba mais

 

biblioteca ESG

Encontre aqui estudos, papers e documentos relevantes para a gestão de sustentabilidade

índices e ratings ESG

Desempenho nos índices e ratings de sustentabilidade

Compomos as carteiras de índices de mercado destinado a empresas com prática reconhecidas

Dow Jones (Desde 1999)
ISEB3 (Desde 2005)
Bloomberg (Desde 2017)
MSCI (Desde 2013)

ratings ESG

Sustainalytics Atualizado em: 28/01/2021
FTSE4Good Atualizado em: 21/12/2020
MSCI Atualizado em: 17/02/2021
ISS ESG Atualizado em: 21/01/2021

site de sustentabilidade

Saiba mais como geramos impacto positivo com negócios através de nossas atividades em nosso site dedicado exclusivamente ao tema de sustentabilidade

acesse aqui

dúvidas frequentes

Sim, o Itaú possui metas para emissões de escopo 1 e escopo 2. Em 2018, revisitamos nossas metas de emissões e começamos a usar a metodologia de metas baseadas na ciência para os escopos 1 e 2 alinhada com uma meta de a fim de conter o aquecimento global abaixo de 2° C. Portanto, definimos metas públicas para reduzir nossas emissões absolutas do Escopo 1 em 4% entre 2018 e 2021 e para reduzir nossas emissões absolutas do Escopo 2 em 6% no mesmo período (2018 e 2021).

Além disso, temos um compromisso público de Gestão Responsável que visa monitorar nossos indicadores de desempenho ambiental de consumo e geração por meio de um comitê que reúne mensalmente dados de todas as áreas do banco. Nosso consumo de energia tem baixo impacto ambiental: a compra de Certificados de Energia Renovável (RECs) em 2019 evidenciou que 100% da nossa energia vem de fontes renováveis de emissão zero, de acordo com uma abordagem baseada no mercado. Para mais detalhes sobre metas de emissão e consumo de energia, acesse o Relatório Anual ESG disponível nesta página.

Nossa estratégia de remuneração e benefícios varia de acordo com a área de atuação do profissional. Destacamos alguns vínculos entre a remuneração variável de nossos executivos e gestores e assuntos relacionados a ESG:

Métricas de remuneração ESG relacionadas ao atendimento e à qualidade de vendas e conectadas ao Compromisso de Cidadania Financeira: Alguns indicadores relacionados à qualidade de vendas e adequação à governança de produtos podem impactar negativamente a remuneração de determinados colaboradores, incluindo cargos de base e alta liderança, como superintendentes e diretores. Programas de Qualidade de Vendas: avaliam a qualidade dos negócios considerando as métricas nível de cancelamento na contratação de produtos, a concentração de vendas para o mesmo cliente, reclamações, ações cíveis e ressarcimentos são algumas delas. Além disso, o Net Promoter Score (NPS), que mede a qualidade de produtos, serviços e atendimento, e outros indicadores relacionados à saúde financeira do cliente também podem impactar a remuneração variável.

Métricas de remuneração ESG relacionadas à gestão ambiental de nossas operações e conectadas ao Compromisso de Gestão Responsável: Gerentes das unidades de negócios responsáveis por infraestrutura têm sua remuneração vinculada ao cumprimento de nossas metas públicas de redução de energia.

Métricas de remuneração ESG relacionadas à ética e conectadas ao Compromisso de Ética nas Relações e nos Negócios: A remuneração variável dos administradores poderá ser reduzida quando houver a comercialização de produtos em desacordo com os termos da governança de avaliação de produtos e processos do Itaú Unibanco, ficando a critério do diretor-executivo da área responsável pelo produto a sua aplicação.

Para mais detalhes sobre questões ESG atreladas a remuneração, acesse o Relatório Anual ESG disponível nesta página.

A governança de sustentabilidade permeia diferentes instâncias com periodicidade e atribuições definidas para os níveis de conselho, executivo, diretores e operacionais. O Conselho de Administração, anualmente, orienta acompanha e aprova a estratégia e a política de sustentabilidade diante da nossa visão de longo prazo. Em 2020, os temas sustentabilidade, Compromissos de Impacto Positivo e o Programa de Integridade e Ética integraram o debate. A Comissão Superior de Ética e Sustentabilidade, composta de membros do Comitê Executivo com periodicidade semestral, tem como objetivo a integração entre as práticas de sustentabilidade e ética, a promoção e a disseminação dos temas na gestão, na cultura organizacional e na estratégia do negócio. O Comitê de Impacto Positivo por meio de uma agenda corporativa semestral, endereça as principais questões de sustentabilidade para a governança do banco e os respectivos grupos de trabalho. Esse comitê é composto de representantes dos Compromissos de Impacto Positivo: Pessoas, Operações e Infraestrutura, Compliance, Relações com Investidores, Crédito, Cobrança, WMS, Investimento, entre outros. Em 2020, foi realizado o acompanhamento da evolução dos Compromissos de Impacto Positivo, a revisão de metas para casos específicos, a expansão dos compromissos em nossas unidades internacionais e o plano de comunicação da agenda para nossos stakeholders. Para saber mais detalhes sobre a Governança de Sustentabilidade, acesse o Relatório Anual ESG disponível nessa página.

Em linha com nossos compromissos referentes à promoção de impactos positivos na sociedade e ao investimento responsável, aprovamos em 2020 uma estratégia que implicará a redução gradativa, até 2025, da exposição de crédito do Itaú em clientes cujas atividades estejam relacionadas ao fumo, como produtores rurais dedicados exclusivamente a essa cultura e fabricantes de cigarro.

Além disso, em 2020 nos deparamos com a repercussão global dos crescentes conflitos relacionados ao desmatamento em nosso país, sobretudo relacionados à cadeia de carne e à criação de rebanhos em áreas desmatadas. Não realizamos exclusão do setor, mas diante da gravidade do problema, reconhecemos a necessidade de promover ações para desestimular essas práticas no setor e nos mobilizamos para aprimorar a diligência socioambiental aplicada ao setor de frigoríficos.

Também temos critérios específicos que devem ser cumpridos para a manutenção de relacionamento com clientes e fornecedores. Assim, entendemos que contrariam nossos valores e, portanto, são práticas excluídas a utilização de mão de obra análoga à escrava ou infantil e a exploração da prostituição.