acessibilidade

fechar

destaques ESG

Confira aqui as principais novidades de sustentabilidade

 

Itaú é selecionado pela Exame entre as empresas de destaque no prêmio "Melhores do ESG"

Saiba mais

 
 

plano Amazônia

Conheça as nossas iniciativas

 
 

Itaú capta US$ 400 milhões

com Banco de Desenvolvimento dos EUA, para expandir crédito para PMEs

 
 

sustainable bonds

Acesse nosso framework

 

biblioteca ESG

Encontre aqui estudos, papers e documentos relevantes para a gestão de sustentabilidade

índices e ratings ESG

Desempenho nos índices e ratings de sustentabilidade

Compomos as carteiras de índices de mercado destinado a empresas com prática reconhecidas

Dow Jones (Desde 1999)
ISEB3 (Desde 2005)
Bloomberg (Desde 2017)
MSCI (Desde 2013)

ratings ESG

Sustainalytics Atualizado em: 28/01/2021
FTSE4Good Atualizado em: 21/12/2020
MSCI Atualizado em: 17/02/2021
ISS ESG Atualizado em: 21/01/2021

site de sustentabilidade

Saiba mais como geramos impacto positivo com negócios através de nossas atividades em nosso site dedicado exclusivamente ao tema de sustentabilidade

acesse aqui

dúvidas frequentes

Sim, o Itaú possui metas para emissões de escopo 1 e escopo 2. Em 2018, revisitamos nossas metas de emissões e começamos a usar a metodologia de metas baseadas na ciência para os escopos 1 e 2 alinhada com uma meta de a fim de conter o aquecimento global abaixo de 2° C. Portanto, definimos metas públicas para reduzir nossas emissões absolutas do Escopo 1 em 4% entre 2018 e 2021 e para reduzir nossas emissões absolutas do Escopo 2 em 6% no mesmo período (2018 e 2021).

Além disso, temos um compromisso público de Gestão Responsável que visa monitorar nossos indicadores de desempenho ambiental de consumo e geração por meio de um comitê que reúne mensalmente dados de todas as áreas do banco. Nosso consumo de energia tem baixo impacto ambiental: a compra de Certificados de Energia Renovável (RECs) em 2019 evidenciou que 100% da nossa energia vem de fontes renováveis de emissão zero, de acordo com uma abordagem baseada no mercado. Para mais detalhes sobre metas de emissão e consumo de energia, acesse o Relatório Anual ESG disponível nesta página.

Nossa estratégia de remuneração e benefícios varia de acordo com a área de atuação do profissional. Destacamos alguns vínculos entre a remuneração variável de nossos executivos e gestores e assuntos relacionados a ESG:

Métricas de remuneração ESG relacionadas ao atendimento e à qualidade de vendas e conectadas ao Compromisso de Cidadania Financeira: Alguns indicadores relacionados à qualidade de vendas e adequação à governança de produtos podem impactar negativamente a remuneração de determinados colaboradores, incluindo cargos de base e alta liderança, como superintendentes e diretores. Programas de Qualidade de Vendas: avaliam a qualidade dos negócios considerando as métricas nível de cancelamento na contratação de produtos, a concentração de vendas para o mesmo cliente, reclamações, ações cíveis e ressarcimentos são algumas delas. Além disso, o Net Promoter Score (NPS), que mede a qualidade de produtos, serviços e atendimento, e outros indicadores relacionados à saúde financeira do cliente também podem impactar a remuneração variável.

Métricas de remuneração ESG relacionadas à gestão ambiental de nossas operações e conectadas ao Compromisso de Gestão Responsável: Gerentes das unidades de negócios responsáveis por infraestrutura têm sua remuneração vinculada ao cumprimento de nossas metas públicas de redução de energia.

Métricas de remuneração ESG relacionadas à ética e conectadas ao Compromisso de Ética nas Relações e nos Negócios: A remuneração variável dos administradores poderá ser reduzida quando houver a comercialização de produtos em desacordo com os termos da governança de avaliação de produtos e processos do Itaú Unibanco, ficando a critério do diretor-executivo da área responsável pelo produto a sua aplicação.

Para mais detalhes sobre questões ESG atreladas a remuneração, acesse o Relatório Anual ESG disponível nesta página.

A governança de sustentabilidade permeia diferentes instâncias com periodicidade e atribuições definidas para os níveis de conselho, executivo, diretores e operacionais. O Conselho de Administração, anualmente, orienta acompanha e aprova a estratégia e a política de sustentabilidade diante da nossa visão de longo prazo. Em 2020, os temas sustentabilidade, Compromissos de Impacto Positivo e o Programa de Integridade e Ética integraram o debate. A Comissão Superior de Ética e Sustentabilidade, composta de membros do Comitê Executivo com periodicidade semestral, tem como objetivo a integração entre as práticas de sustentabilidade e ética, a promoção e a disseminação dos temas na gestão, na cultura organizacional e na estratégia do negócio. O Comitê de Impacto Positivo por meio de uma agenda corporativa semestral, endereça as principais questões de sustentabilidade para a governança do banco e os respectivos grupos de trabalho. Esse comitê é composto de representantes dos Compromissos de Impacto Positivo: Pessoas, Operações e Infraestrutura, Compliance, Relações com Investidores, Crédito, Cobrança, WMS, Investimento, entre outros. Em 2020, foi realizado o acompanhamento da evolução dos Compromissos de Impacto Positivo, a revisão de metas para casos específicos, a expansão dos compromissos em nossas unidades internacionais e o plano de comunicação da agenda para nossos stakeholders. Para saber mais detalhes sobre a Governança de Sustentabilidade, acesse o Relatório Anual ESG disponível nessa página.

Em linha com nossos compromissos referentes à promoção de impactos positivos na sociedade e ao investimento responsável, aprovamos em 2020 uma estratégia que implicará a redução gradativa, até 2025, da exposição de crédito do Itaú em clientes cujas atividades estejam relacionadas ao fumo, como produtores rurais dedicados exclusivamente a essa cultura e fabricantes de cigarro.

Além disso, em 2020 nos deparamos com a repercussão global dos crescentes conflitos relacionados ao desmatamento em nosso país, sobretudo relacionados à cadeia de carne e à criação de rebanhos em áreas desmatadas. Não realizamos exclusão do setor, mas diante da gravidade do problema, reconhecemos a necessidade de promover ações para desestimular essas práticas no setor e nos mobilizamos para aprimorar a diligência socioambiental aplicada ao setor de frigoríficos.

Também temos critérios específicos que devem ser cumpridos para a manutenção de relacionamento com clientes e fornecedores. Assim, entendemos que contrariam nossos valores e, portanto, são práticas excluídas a utilização de mão de obra análoga à escrava ou infantil e a exploração da prostituição.