acessibilidade

fechar

ADR

É o recibo de ação que permite que investidores negociem ações de empresas não americanas nos Estados Unidos, bem como permite que empresas fora dos Estados Unidos negociem seus títulos neste país. Por exemplo: o Itaú Unibanco tem suas ações ordinárias e preferenciais negociadas na B3, a bolsa brasileira. Mas também está no mercado americano por meio do programa de ADR Nível II.

ADR Nível I

As empresas nesse programa não são listadas em bolsa. ADRs nesse nível são negociados no OTC, o mercado de balcão americano. Além disso, a Securities and Exchange Commission (SEC), o principal regulador do mercado de capitais nos EUA, exige menor grau de requisitos para essa categoria.

ADR Nível II

É a classificação do programa de ADRs do Itaú Unibanco. Além de ser negociados no OTC, ADRs nessa classificação podem ser listados em bolsa, têm maior visibilidade e liquidez do que as empresas listadas no Nível I. Por outro lado, há mais requisitos do regulador americano.

ADR Nível III

Similar ao nível II em termos de listagem em bolsa e requerimentos do regulador. A principal diferença fica por conta da possibilidade de utilizar o programa de ADRs para aumentar capital por meio de oferta pública nos EUA.

ANS – Agência Nacional de Saúde Suplementar

Responsável por regular e supervisionar o mercado brasileiro de seguro saúde no Brasil e seus participantes.

Análise de Descasamentos (GAPS)

Exposição acumulada dos fluxos de caixa, por fator de risco, expressos a valor de mercado, alocados nas datas de vencimento;

Banco Central

Autoridade federal responsável pela regulamentação e supervisão de todo o Sistema Financeiro Nacional (SFN) assegurando a estabilidade do poder aquisitivo da moeda e um sistema financeiro sólido e eficiente e é responsável por implantar as políticas estabelecidas pelo CMN, autorizar a constituição de instituições financeiras e supervisioná-las.

CMN

Maior autoridade do Sistema Financeiro Nacional (SFN) responsável pela política monetária e de crédito no Brasil para garantir a estabilidade e o desenvolvimento social e econômico. Tem como função principal divulgar as regras gerais para o funcionamento de todo o mercado financeiro.

Concentração

Exposição acumulada de determinado instrumento financeiro ou fator de risco, calculada a valor de mercado (“MtM – Mark to Market”); e

CVM - Comissão de Valores Mobiliários

Agência governamental e subordinada ao Ministério da Economia, com o objetivo de regular, supervisionar e desenvolver o mercado de valores mobiliários.

CNSP – Conselho Nacional de Seguros Privados

responsável por estabelecer as orientações e diretrizes para companhias de seguros e de títulos de capitalização e entidades abertas de previdência complementar

Delta Economic Value of Equity – EVE

Diferença entre o valor presente do somatório dos fluxos de reapreçamento de instrumentos sujeitos ao IRRBB em um cenário-base e o valor presente do somatório dos fluxos de reapreçamento desses mesmos instrumentos em um cenário de choque nas taxas de juros;

Delta Net Interest Income – NII

Diferença entre o resultado de intermediação financeira dos instrumentos sujeitos ao IRRBB em um cenário-base e o resultado de intermediação financeira desses mesmos instrumentos em um cenário de choque nas taxas de juros.

FGB – Fundo Gerador de Benefícios

Plano de previdência com garantia mínima de rentabilidade e possibilidade de ganho pela performance do ativo. Apesar de existirem planos ativos, não são mais comercializados

Intervenção

Regime de duração limitada em que o Banco Central nomeia um interventor, que assume a gestão direta da instituição financeira, suspendendo as suas atividades normais e destituindo os respectivos administradores com o objetivo principal de evitar a continuidade de certas irregularidades cometidas e o agravamento da situação financeira da instituição, que pode colocar ativos em risco e prejudicar os credores da instituição financeira – ela suspende todas as ações relacionadas com obrigações de pagamento da instituição financeira, impede a liquidação ou o vencimento antecipado de suas obrigações e congela os depósitos preexistentes.

Liquidação extrajudicial

Processo de extinção da empresa em casos de insolvência irrecuperável ou de graves infrações às normas que regulam as atividades da instituição financeira. A liquidação extrajudicial visa a promover a liquidação dos ativos existentes para pagamento dos credores, com devolução de eventual saldo aos acionistas. Os acionistas controladores também podem ser responsabilizados pelas obrigações remanescentes.

Letra de crédito Imobiliário - LIG

É um título de crédito nominativo, transferível e de livre negociação, garantido por carteira de ativos submetida ao regime fiduciário, criada pela Lei nº 13.097/15 e regulamentada pela Resolução CMN nº4.598/17. É um título que conta com isenção do imposto sobre a renda dos rendimentos e ganhos de capital quando o beneficiário for pessoa física ou residente ou domiciliado no exterior (exceto em país com tributação favorecida, nos termos da legislação específica).

ON (Ações Ordinárias)

Termo utilizado para se referir às ações que proporcionam o direito a voto aos seus detentores nas deliberações em assembleias gerais de acionistas.

Opção

É um instrumento derivativo que confere ao seu titular, ou comprador, um direito futuro de compra de ações, mas não uma obrigação; e a seu vendedor, uma obrigação futura, caso solicitado pelo comprador da opção.

Operações Compromissadas

São operações em que um título financeiro é vendido e, após um período pré-determinado, há compromisso do vendedor em recomprá-lo por valor acordado na ocasião da venda.

Originação de crédito

novas concessões ou contratações de operações de crédito por uma instituição financeira em um intervalo de tempo.

Planos de Benefício Definido (BD)

São planos cujos benefícios programados tem seu valor previamente estabelecido, baseados nos salários e/ou tempo de serviço dos colaboradores, sendo seu custeio determinado atuarialmente;

Planos de Contribuição Definida (CD)

São aqueles cujos benefícios programados tem seu valor permanentemente ajustado ao saldo dos investimentos, mantido em favor do participante, inclusive na fase de concessão de benefícios, considerando o resultado líquido de sua aplicação, os valores aportados e os benefícios pagos; e

Planos de Contribuição Variável (CV)

Nesta modalidade, os benefícios programados apresentam a conjugação das características das modalidades de contribuição definida e benefício definido, sendo o benefício determinado atuarialmente com base no investimento acumulado pelo participante na data da elegibilidade.

PGBL – Plano Gerador de Benefícios Livres

Tem como principal objetivo a acumulação de recursos financeiros, mas pode ser contratado com coberturas adicionais de risco. Indicado para clientes que apresentam declaração completa de IR, pois podem deduzir as contribuições feitas da base de cálculo do IR até 12% da renda bruta tributável anual;

Programa de Reinvestimento de Dividendos (PRD)

Permitindo o investimento automático dos dividendos na compra de ações preferenciais ou ordinárias da Companhia. Pode participar do PRD qualquer acionista que seja correntista do Itaú Unibanco S.A., seja ele pessoa física ou jurídica.

Provisão de Prêmios não Ganhos

Constituída com base nos prêmios de seguros, para a cobertura dos valores a pagar relativos a sinistros e despesas a ocorrer. No cálculo, considera-se o prazo a decorrer tanto dos riscos assumidos e emitidos quanto dos riscos vigentes e não emitidos (PPNG-RVNE) nas apólices ou endossos dos contratos vigentes, pelo critério pro rata die;

Provisão de Sinistros a Liquidar (PSL)

Constituída para a cobertura dos valores esperados relativos a sinistros avisados e não pagos, incluindo os sinistros administrativos e judiciais. Abrange valores relativos às indenizações, pecúlios e rendas vencidas, todos brutos das operações de resseguro e líquidos das operações de cosseguro, quando aplicável. Quando necessário, deve contemplar ajustes de IBNER (sinistros ocorridos e não suficientemente avisados) para o desenvolvimento agregado dos sinistros avisados e ainda não pagos, cujos valores poderão ser alterados ao longo do processo de regulação até a sua liquidação final;

Provisão de Sinistros Ocorridos e não Avisados (IBNR)

Constituída para a cobertura dos valores esperados a liquidar relativos a sinistros ocorridos e não avisados até a data-base de cálculo, incluindo os sinistros administrativos e judiciais. Abrange valores relativos a indenizações, pecúlios e rendas, todos brutos das operações de resseguro e líquidos das operações de cosseguro;

Provisão de Sinistros Ocorridos e não Avisados (IBNR)

Constituída para a cobertura dos valores esperados a liquidar relativos a sinistros ocorridos e não avisados até a data-base de cálculo, incluindo os sinistros administrativos e judiciais. Abrange valores relativos a indenizações, pecúlios e rendas, todos brutos das operações de resseguro e líquidos das operações de cosseguro;

Provisão Matemática de Benefícios Concedidos (PMBC)

Constituída para a cobertura dos compromissos de pagamento de indenizações e/ou benefícios assumidos com os participantes ou segurados, com base nas premissas determinadas no contrato, depois de ocorrido o evento;

Provisão de Excedentes Financeiros (PEF)

Constituída para a garantia dos valores destinados à distribuição de excedentes decorrentes de superávit financeiro, quando previsto em contrato. Corresponde ao resultado financeiro excedente à rentabilidade mínima garantida no produto;

Provisão de Resgates e Outros Valores a Regularizar (PVR)

Constituída para cobertura dos valores referentes aos resgates a regularizar, às devoluções de prêmios ou fundos, às portabilidades solicitadas e, por qualquer motivo, ainda não transferidos para a sociedade seguradora ou entidade aberta de previdência complementar receptora e aos prêmios recebidos e não cotizados;

Provisão de Despesas Relacionadas (PDR)

Constituída para a cobertura dos valores esperados relativos a despesas relacionadas a benefícios e indenizações, em função de eventos ocorridos e a ocorrer.

Price to Book Ratio (P/B)

Termo em inglês para o indicador obtido pela divisão entre o preço de uma ação e seu Valor Patrimonial. Trata-se de um múltiplo de mercado utilizado para análises comparativas de valor de mercado de empresas.

Price to Earnings Ratio (P/E)

Termo em inglês para o indicador obtido pela divisão entre o preço de uma ação e o lucro líquido da companhia em determinado período. Trata-se de um múltiplo de mercado utilizado para análises comparativas de avaliações de empresas.

PAB

Postos de Atendimento Bancário. Extensão da matriz ou de uma agência bancária instalado por instituição financeira em recinto interno de entidade da administração pública ou de empresa privada, destinado a prestar serviços de exclusivo interesse da instituição financeira.

PAE

Posto de Atendimento Eletrônico. É dependência constituída por um ou mais terminais de autoatendimento, subordinada a agência ou à sede da instituição financeira.

Participações Minoritárias nas Subsidiárias

Nas Demonstrações de Resultados, refere-se aos efeitos (receitas ou despesas) decorrentes de participações societárias minoritárias que o Itaú Unibanco Holding detém em outras empresas do grupo e que não são consolidadas em seu balanço.

Passivo Circulante

Obrigações da empresa que serão liquidadas durante do exercício financeiro seguinte, que corresponde a um ano corrido.

Passivo Exigível a longo prazo

Obrigações da empresa que serão liquidadas após o fim do exercício financeiro seguinte, que corresponde a um ano corrido.

Passivo

Conjunto de obrigações do banco.

Patrimônio de Referência:

Composto pelo de Capitais Nível I e Nível II de uma instituição financeira, apurado para verificação do cumprimento de limites operacionais. É utilizado para apuração do índice de basileia.

Patrimônio Líquido

Resultado da diferente entre o ativo e o passivo. Representa o valor contábil de uma companhia em um determinado momento.

Payout

Percentual de distribuição do lucro líquido para os acionistas em forma de dividendos ou juros sobre capital próprio.

PDD complementar

Saldo provisionado para perdas com crédito referente ao montante superior ao mínimo requerido pelo Banco Central do Brasil.

PDD Mínimo BACEN

Saldo de provisão para perdas com crédito calculado de acordo com as regras de atraso da resolução 2.682 do Bacen.

PDD de Risco por Atraso

Provisões requeridas para as operações de crédito em atraso de acordo com a Res. nº 2.682/1999 do CMN.

PDD de Risco Agravado

Provisões para créditos com agravamento de risco acima do mínimo para operações em atraso e também provisões para créditos que foram renegociados.

PDD Risco Potencial

Provisões para perda esperada no caso de operação do Banco de Varejo e provisões para perdas potenciais no caso de operações do Banco de Atacado, que incluem garantias financeiras prestadas.

PIB - Produto Interno Bruto

Soma de todos os bens e serviços finais produzidos em um país, estado ou cidade, geralmente no período de um ano.

Pilar 3

Relatório de Gerenciamento de Riscos e Capital, elaborado por instituições financeiras e requerido pelo Banco Central do Brasil por meio da Circular 3.930, em que são divulgadas informações referentes à gestão de riscos e capital.

PIX

Meio de pagamento eletrônico instantâneo criado pelo Banco Central do Brasil. Nele os recursos financeiros são transferidos entre contas em poucos segundos, a qualquer hora ou dia, e pode ser realizado a partir de uma conta corrente, conta poupança ou conta de pagamento pré-paga.

PN (Ações Preferenciais)

Termo utilizado para se referir às ações que não conferem direito a voto a seus detentores, mas que, no caso do Itaú Unibanco Holding S.A. proporcionam prioridade no recebimento de dividendo mínimo anual de R$ 0,022 por ação e direito a tag along de 80%.

Previdência

Produto direcionado para clientes que buscam construir reserva financeira para aposentadoria ou em caso de perda da capacidade de trabalhar.

Programa de Recompra de ações

Programa em que uma empresa recompra parte de suas ações negociadas em mercado, em geral para custodiá-las em sua tesouraria, remunerar seus administradores ou cancelá-las.

Programas de sócios e associados

Programas de incentivos de longo prazo que reconhecem e destacam os profissionais que fazem a diferença e que lideram a construção de um banco voltado para o futuro, alinhado à visão e valores da instituição por meio da distribuição de participação societária do Itaú Unibanco.

Provisão técnica

Quanto de dinheiro uma seguradora precisa manter (reservar) em seu balanço para arcar com compromissos futuros com seus segurados.

Provisões cíveis, fiscais e trabalhistas

Provisões feitas no balanço de uma instituição para arcar com despesas decorrentes de ações de origem cível, fiscal e/ou trabalhista.

Política de Sustentabilidade e Responsabilidade Socioambiental (PRSA)

Política que estabelece as diretrizes, estratégias e os princípios fundamentais para a gestão socioambiental, partindo de questões institucionais e abordando, por meio de procedimentos específicos, os riscos mais relevantes para a operação da Instituição.

RAET - Regime de administração especial temporária

É um regime menos severo com duração limitada que permite às instituições financeiras continuarem operando – todos os administradores perdem seu mandato e são substituídos por um conselho diretor nomeado pelo Banco Central com amplos poderes de gestão, que adotará medidas visando à retomada das atividades normais da instituição financeira. Caso a retomada não seja possível, tal regime pode vir a ser transformado em liquidação extrajudicial.

Risco de crédito

Risco de ocorrência de perdas associadas: ao não cumprimento pelo tomador, emissor ou contraparte de suas respectivas obrigações financeiras nos termos pactuados; à desvalorização de um contrato de crédito decorrente da deterioração na classificação de risco do tomador, emissor ou contraparte; à redução de ganhos ou receitas; vantagens concedidas em renegociação subsequente; ou aos custos de recuperação.

Risco operacional

Possibilidade de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, ou de eventos externos que impactem a realização dos objetivos estratégicos, táticos ou operacionais. Inclui o risco legal associado à inadequação ou deficiência em contratos firmados pela instituição, bem como às sanções em razão de descumprimento de dispositivos legais e indenizações por danos a terceiros decorrentes das atividades desenvolvidas pela instituição.

Risco de liquidez

Probabilidade de a instituição não ser capaz de honrar eficientemente suas obrigações esperadas e inesperadas, correntes e futuras, inclusive as decorrentes de vinculações de garantias, sem afetar suas operações diárias e sem incorrer em perdas significativas.

Risco de mercado

Possibilidade de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas por uma instituição financeira, incluindo os riscos das operações sujeitas à variação das taxas de câmbio, taxas de juros, índices de preços e preços das ações e commodities.

Riscos de produtos de seguros, previdência e capitalização

Os produtos que compõem as carteiras das nossas seguradoras estão relacionados com seguros de vida e elementares, bem como com previdência privada e capitalização.

Risco socioambiental

Possibilidade de perdas em função da exposição a eventos socioambientais decorrentes do desempenho de nossas atividades.

Risco regulatório

Risco de perdas devido a multas, sanções e outras punições aplicadas por órgãos reguladores decorrentes do não cumprimento de requerimentos regulatórios.

Risco de modelo

Risco decorrente dos modelos que utilizamos não refletirem de maneira consistente as relações de variáveis de interesse, acarretando resultados que diferem sistematicamente do observado. Esse risco pode se materializar devido ao uso em realidades distintas da modelada.

Risco país

Risco de perdas relativas ao não cumprimento de obrigações associadas a tomadores, emissores, contrapartes ou garantidores, em decorrência de ações realizadas pelo governo do país onde está o tomador, o emissor, a contraparte ou o garantidor.

Risco de negócio e estratégia

Risco de impacto negativo nos resultados financeiros ou no capital em consequência de falhas no planejamento estratégico, decisões estratégicas adversas, ou incapacidade de implantar planos estratégicos apropriados e/ou de mudanças no ambiente de negócio.

Risco reputacional

Risco decorrente das práticas internas, eventos de risco e fatores externos que possam provocar uma percepção negativa do banco por parte dos clientes, contrapartes, acionistas, investidores, supervisores, parceiros comerciais, entre outros, acarretando impactos no valor da marca e resultando em perdas financeiras, além de afetar de maneira adversa nossa capacidade de manter relações comerciais existentes, dar início a novos negócios e continuar tendo acesso a fontes de captação de recursos.

RWACPAD

Parcela relativa às exposições ao risco de crédito, calculada segundo abordagem padronizada;

RWAMINT

Parcela relativa ao capital requerido para risco de mercado, composta pelo máximo entre o modelo interno e 80% do modelo padronizado, regulamentada pelas Circulares BACEN 3.646 e 3.674;

RWAOPAD

Parcela relativa ao capital requerido para o risco operacional, calculada segundo abordagem padronizada

Rating de crédito

nota atribuída pelas agências de classificação de risco de crédito a um emissor, podendo ser um banco, empresa ou país, de acordo com sua capacidade de honrar uma dívida. Os ratings permitem que os investidores avaliem de forma relativa o risco de crédito de títulos de dívida e compromissos financeiros.

Receita de Serviços

Receitas provenientes de serviços prestados por uma instituição financeira como os de serviços de conta corrente, cartões de crédito, administração de fundos, etc.

Recuperação de Crédito

Um dos componentes do Custo de Crédito, representa a receita oriunda do processo de cobrança de créditos inadimplentes.

Recursos livres

Recursos em que as instituições financeiras têm autonomia sobre a destinação dos recursos captados em mercado.

Redução ao Valor Recuperável de ativo

Conjunto de procedimentos visando assegurar que os ativos não estejam registrados contabilmente por um valor superior àquele passível de ser recuperado por uso ou por venda. Caso existam evidências claras de que ativos estão avaliados por valor não recuperável no futuro, é reconhecida a desvalorização por meio da constituição de provisão para perdas.

Reserva de Lucro

Contas de reserva constituídas no Patrimônio Líquido das empresas a partir dos seus lucros auferidos que podem ser utilizadas para finalidades específicas.

Resultado antes da Tributação e Participações

Resultado apurado em uma entidade em determinado período antes que sejam feitos os descontos relativos ao Imposto de Renda e Contribuição Social e participações de acionistas minoritários e coligadas.

Resultado Contábil

Resultado financeiro de uma empresa apurado a partir de normas contábeis sem a segregação gerencial por unidades de negócio ou a exclusão de itens extraordinários.

Resultado de Participações em Coligadas

Resultados provenientes do desempenho financeiro de outras empresas nas quais o Itaú Unibanco tem participação acionária.

Resultado Recorrente Gerencial

Resultado financeiro apurado a partir de normas internas para melhor refletir o desempenho de suas diversas unidades de negócio e forma sob a qual a instituição é gerida. É derivado do resultado contábil da empresa e exclui itens extraordinários.

Resultado Recorrente Gerencial por Ação: É calculado com base na média ponderada da quantidade de ações em circulação no período.

Resultado Não Operacional:

Receitas e despesas incorridas por uma empresa e que não estão diretamente relacionadas com o objetivo-fim daquele negócio.

Risco de crédito

Risco de perdas decorrentes do não cumprimento pelo tomador, emissor ou contraparte de suas respectivas obrigações financeiras nos prazos e termos pactuados, da desvalorização de contrato de crédito em consequência da deterioração na classificação de risco do tomador, do emissor ou da contraparte, da redução de ganhos ou remunerações, das vantagens concedidas em renegociações posteriores e dos custos de recuperação.

Risco de liquidez

Possibilidade de a instituição não ser capaz de honrar eficientemente suas obrigações esperadas e inesperadas, correntes e futuras, inclusive as decorrentes de vinculações de garantias, sem afetar suas operações diárias e sem incorrer em perdas significativas.

Risco de mercado

Possibilidade de perdas resultantes da flutuação nos valores de mercado de posições detidas por uma instituição financeira, incluindo os riscos das operações sujeitas à variação das taxas de câmbio, das taxas de juros, dos preços de ações e dos preços de mercadorias (commodities), conforme estabelecido pelo CMN.

Risco operacional

Possibilidade de perdas resultantes de falha, deficiência ou inadequação de processos internos, pessoas e sistemas, ou de eventos externos que impactem na realização dos objetivos estratégicos, táticos ou operacionais. Inclui o risco legal, associado à inadequação ou deficiência em contratos firmados pela instituição, bem como a sanções em razão de descumprimento de dispositivos legais e a indenizações por danos a terceiros decorrentes das atividades desenvolvidas pela instituição.

Risco Sistêmico

Risco de colapso do sistema financeiro ou mercado, com forte impacto sobre as taxas de juros, câmbio e os preços dos ativos em geral, e afetando amplamente a economia - em contraste com o risco associado a uma entidade individual, um grupo ou componente de um sistema.

Risco socioambiental

Possibilidade de ocorrência de perdas resultantes de eventos de origem social e/ou ambiental relacionadas às atividades desenvolvidas pela Instituição, nos moldes da Resolução CMN 4.327/14.

Risco reputacional

O risco decorrente de práticas internas e/ou fatores externos que possam gerar uma percepção negativa sobre o Itaú Unibanco por parte de clientes, colaboradores, acionistas, investidores, órgãos reguladores, governo, fornecedores, imprensa e a sociedade de forma geral, podendo impactar a reputação do banco, o valor da sua marca e/ou resultar em perdas financeiras. Além disso, pode afetar a manutenção de relações comerciais existentes, o acesso a fontes de captação de recursos, a atração de novos negócios e de talentos para compor o quadro da empresa ou mesmo a licença para operar.

Risk Weighted Assets (RWA)

Termos em inglês para Ativos Ponderados pelo Risco. Metodologia utilizada pelas instituições financeiras para calcular, de forma ponderada, a exposição de risco de seus ativos. Utilizado para apuração dos índices de capital (basileia).

Stop Loss

Métrica que tem por objetivo a revisão das posições, caso as perdas acumuladas em um dado período atinjam um determinado valor;

SUSEP – Superintendência de Seguros Privados

Responsável por regular e supervisionar os mercados de seguros, previdência complementar aberta e capitalização no Brasil e seus participantes.

Sensibilidade (DV01- Delta Variation)

Impacto no valor de mercado dos fluxos de caixa quando submetidos a um aumento de 1 ponto-base nas taxas de juros atuais ou na taxa do indexador;

Sociedade Anônima (S.A.)

forma jurídica de constituição de empresas na qual o capital social é dividido em ações e os sócios têm responsabilidade limitada.

SEC

Securities and Exchange Commission: Agência reguladora federal e independente dos EUA responsável por proteger investidores e preservar o funcionamento justo e eficiente dos mercados de capitais

Spin Off

criação de uma companhia nova e independente pela venda ou distribuição das ações de um negócio já existente.

Tag along

Extensão do prêmio de controle. Direito de alienação de ações conferido a acionistas minoritários, em caso de alienação de ações realizada pelos controladores da companhia.

TCFD - Task Force on Climate-Related Financial Disclosure

Força-tarefa criada pelo Financial Stability Board, órgão internacional criado em 2009 após a cúpula do G20 que monitora e faz recomendações sobre o sistema financeiro global, para melhorar e aumentar a divulgação de informações financeiras relacionadas ao clima

Ticket médio de financiament

Valor médio de um financiamento por cliente.

Todos Pela Saúd

Iniciativa lançada pelo Itaú Unibanco em 2020 para enfrentamento do COVID-19 no país.

Títulos e Valores Mobiliários (TVM)

Títulos ou contratos de investimento que gerem direito de participação, parceria ou remuneração. Exemplos: ações, debentures, cotas de fundos, etc.

Unit

Ativos compostos por mais de uma classe de valores mobiliários como, por exemplo, uma ação ordinária (ON) e uma ação preferencial (PN) negociadas de maneira conjunta.

VaR Estressado

Métrica estatística derivada do cálculo de VaR, que objetiva capturar o maior risco em simulações da carteira de negociação atual, levando em consideração retornos observáveis em cenários históricos de extrema volatilidade.

VGBL – Vida Gerador de Benefícios Livres

É um seguro estruturado na forma de plano de previdência. A sua forma de tributação difere do PGBL, neste caso, a base de cálculo são os rendimentos auferidos; e

Valor justo (fair value)

preço pelo qual uma transação não forçada para vender o ativo ou para transferir o passivo ocorreria entre participantes do mercado na data de mensuração sob condições correntes de mercado.