Itaú BBA - Taxa Selic estável, por ora

Semana em Revista

< Voltar

Taxa Selic estável, por ora

Setembro 21, 2018

O Copom tomou a decisão amplamente esperada de manter a taxa Selic inalterada em 6,5% a.a

Copom abre caminho para um movimento em outubro, caso necessário

IPCA-15 sobe 0,09% em setembro, abaixo das expectativas

Institutos atualizam suas pesquisas eleitorais

Copom abre caminho para um movimento em outubro, caso necessário 

O Copom tomou a decisão amplamente esperada de manter a taxa Selic inalterada em 6,5% a.a., em votação unânime. O comunicado não se compromete com qualquer movimento em outubro, mas abre o caminho para um, caso seja necessário. Isso fica evidente com o conjunto de projeções apresentadas no cenário de referência (taxa de juros constante em 6,5% a.a. e taxa de câmbio de R$ 4,15), em que o comitê espera inflação de 4,4% para 2018 e 4,5% para 2019 (4,2% e 4,1% anteriormente), aumentos que provavelmente resultaram da desvalorização do Real, ante uma meta que se desloca para 4,25% no próximo ano. Mais importante, o comunicado indica que a conjuntura econômica ainda exige estímulo monetário, mas acrescenta que esse estímulo pode precisar ser gradualmente retirado se a perspectiva de inflação e/ou o balanço de riscos em torno dele piorar - o que sugere claramente uma alta, provavelmente de 0,50 p.p., em caso de deterioração adicional do cenário de inflação. Por enquanto, esperamos que o Copom deixe a taxa básica inalterada em 6,50% a.a. em outubro, mas aguardamos a ata da reunião, que será divulgada na terça-feira, 25 de setembro às 08h00, além do Relatório Trimestral de Inflação no final deste mês, e outras informações relevantes, antes de revisitar nossa avaliação.

IPCA-15 sobe 0,09% em setembro, abaixo das expectativas

O IPCA-15 apresentou variação de 0,09% em setembro, abaixo das expectativas de mercado, o menor resultado para um mês de setembro desde 2006. No acumulado do ano, o IPCA-15 apresentou variação de 3,23%, com a taxa em 12 meses recuando para 4,28% (ante 4,30% em agosto) (Gráfico 1). A nossa projeção preliminar para o IPCA do mês fechado aponta alta de 0,46%, com a taxa em 12 meses subindo para 4,51% (ante 4,19% em agosto). Em linhas gerais, a depreciação recente na taxa de câmbio deve impactar, de forma mais rápida e intensa, o resultado dos índices de preços no atacado e, nesse sentido, pode exercer alguma pressão adicional na inflação ao consumidor nos próximos meses.

Índice de atividade do BC sobe 0,6% em julho

O IBC-Br, índice de atividade econômica do Banco Central, subiu 0,6% em julho, após ajuste sazonal, acima das expectativas de mercado. O índice agora se encontra 0,7% acima dos níveis observado pré-paralisação (média de fevereiro até abril). Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o indicador subiu 2,6% (ante alta de 1,9% no mês anterior). Apesar do resultado positivo no mês, um conjunto amplo de indicadores coincidentes de atividade, assim como os indicadores de confiança recentes, apontam para um quadro de crescimento subjacente mais moderado na margem.

Institutos atualizam suas pesquisas eleitorais 

Desde a última sexta-feira, os institutos Ibope, MDA e Datafolha atualizaram as intenções de voto para as eleições presidenciais de 2018. Na sexta-feira (14), em pesquisa do instituto Datafolha, Jair Bolsonaro (PSL) registrou 26% (de 24% na pesquisa anterior, de 10 de setembro). Fernando Haddad (PT) apareceu com 13% (de 9%), seguido por Ciro Gomes (PDT), com 13% (estável), Geraldo Alckmin (PSDB), com 9% (de 10%), Marina Silva (REDE), com 8% (ante 11%). Na pesquisa MDA, publicada na segunda-feira (17), Jair Bolsonaro (PSL) também aparece na liderança da disputa com 28% dos votos, ante 18% da pesquisa anterior, em 14 de maio. Fernando Haddad (PT) segue em segundo lugar, com 18% (de 2%). Em terceiro, Ciro Gomes (PDT) aparece com 11% (ante 9%), seguido por Geraldo Alckmin (PSDB), com 6% (de 5%%) e Marina Silva (REDE), com 4% (ante 11%). Por fim, na pesquisa Ibope, divulgada na terça-feira (18), Jair Bolsonaro (PSL) lidera com 28% dos votos, de 26% da última pesquisa do mesmo instituto, em 10 de setembro. Fernando Haddad (PT) aparece em segundo lugar, com 19% (de 8%), seguido por Ciro Gomes (PDT), com 11% (estável), Geraldo Alckmin (PSDB), com 7% (ante 9%) e Marina Silva (REDE), com 6% (de 9%). 

Destaques da próxima semana 

No Brasil, o Banco Central divulgará a ata da última reunião de política monetária na terça-feira, e o relatório de inflação na quinta-feira. O resultado primário do governo central e o consolidado (ambos de agosto) serão divulgados na quinta e sexta-feira, respectivamente. A taxa de desemprego de agosto será divulgada na sexta-feira. Ao longo da semana, a FGV divulga os indicadores de confiança referentes ao mês de setembro. Do lado político, o instituto Ibope registrou duas pesquisas nacionais de intenção de votos, a serem divulgadas na segunda e quarta-feira.

Do lado internacional, as atenções estarão voltadas para negociações comerciais entre EUA e China. Na segunda-feira, deve entrar em vigor a imposição dos EUA de tarifas de 10% sobre o equivalente a 200 bilhões de dólares em produtos importados da China, enquanto esta última anunciou que irá retaliar. Além disso, na quarta-feira, o Fed, Banco Central americano, irá realizar sua reunião de política monetária. 



< Voltar