Itaú BBA - Senado aprova PEC do orçamento de guerra

Semana em Revista

< Voltar

Senado aprova PEC do orçamento de guerra

Abril 17, 2020

Como parte do conteúdo sofreu alteração, a PEC agora volta para apreciação final na Câmara.

 Congresso avalia medidas para o enfrentamento ao Covid-19 no Brasil

 Indicadores de confiança recuam fortemente em abril

 EUA parecem ter atingido o pico de novos casos de Covid-19

 PIB chinês recua 6,8% no 1T20 por conta da pandemia de Covid-19

Congresso avalia medidas para o enfrentamento ao Covid-19 no Brasil

Na continuidade das discussões sobre medidas de enfrentamento ao Covid-19 no Brasil, o Senado Federal aprovou a PEC do Orçamento de Guerra (PEC 10/2020) que promove a separação no Orçamento Geral da União entre gastos para o combate ao coronavírus e demais despesas fiscais, além de flexibilizar o manejo de recursos voltados ao controle da pandemia. A proposta também abarca medidas que autorizam o Banco Central a comprar e vender títulos públicos e privados. Como parte do conteúdo sofreu alteração, a PEC agora volta para apreciação final na Câmara dos Deputados antes de sua promulgação. Ainda nesta semana, foi aprovada na Câmara a proposta que amplia o alcance do auxílio emergencial de R$ 600 para mais categorias de trabalhadores informais.

Indicadores de confiança recuam fortemente em abril

A FGV divulgou, de forma extraordinária, a prévia das sondagens de confiança para o mês de abril, coletados entre os dias 1 e 13 do mês (Gráfico 1). Vale notar que a data de publicação da versão final da pesquisa segue prevista para o final do mês. Em linha com o esperado, a publicação indica forte queda na confiança, com as principais quedas observadas nos indicadores da indústria e serviços (-39,0 e -34,9 pontos, respectivamente). No setor de construção civil, o índice recuou 29,1 pontos, enquanto houve quedas de 26,8 pontos no varejo e 22,1 pontos na confiança do consumidor.

Com isso, o índice agregado de confiança recuou 27,6 pontos, para 53,7, o nível mais baixo desde o início da série histórica. Avaliamos que o indicador apresenta alta correlação com o ritmo de criação de empregos formais (Caged), consistente com uma destruição líquida de 250 mil postos de trabalho em abril, após ajuste sazonal. Vale lembrar que os dados de criação de emprego formal não estão sendo divulgados recentemente, por questões metodológicas. Neste contexto, reconhecemos que as divulgações da PNAD Contínua serão fundamentais para avaliar as condições do mercado de trabalho brasileiro. Sob a ótica da atividade econômica, projetamos quedas expressivas do PIB no primeiro (-2,1%) e segundo (-6,5%) trimestres do ano, e o início do processo de recuperação a partir do terceiro trimestre. Para o ano, projetamos uma queda de 2,5% do PIB, e uma recuperação de 4,7% em 2021.

EUA parecem ter atingido o pico de novos casos de Covid-19

Ao longo dos últimos dias, o número de novos casos nos principais países da Europa diminuiu, sugerindo que o pico ficou para trás, apesar de mudanças metodológicas na contabilização de novos casos gerarem ruídos na evolução temporal, como é o caso na França. Nos EUA, o número de novos casos ficou relativamente estável, e parece também ter entrado em tendência de estabilização. No restante do mundo, por outro lado, houve aumento no número de casos. O agregado de países asiáticos excluindo a China vem apresentando aceleração, mas com dados oficiais que ainda evoluem em ritmo muito lento com relação ao resto do mundo, e com números muito pequenos diante do tamanho de suas populações. No Brasil, o Ministério da Saúde confirma 2.141 óbitos e 33.682 casos até o momento da publicação deste relatório (veja mais no nosso monitor semanal do Covid-19 aqui).

EUA anunciam diretrizes para reabertura da economia

O presidente Donald Trump anunciou as novas diretrizes federais para o processo de reabertura da economia. As orientações não especificam uma data, mas subdividem o processo de abertura em diferentes fases, condicionadas à evolução de novos casos por Covid-19, mortes e testes. Segundo Trump, cerca de 29 estados americanos já estariam aptos a participar do princípio de reabertura em breve.

PIB chinês recua 6,8% no 1T20 por conta da pandemia de Covid-19 

O PIB da China recuou 6,8% no primeiro trimestre do ano em comparação ao mesmo período do ano anterior (Gráfico 2), resultado um pouco melhor que a mediana das expectativas de mercado (-9,8%). O resultado foi principalmente influenciado pela queda 9,6% no PIB industrial, enquanto no setor de serviços o desempenho, também negativo, foi um pouco melhor (-5,2%). Referente ao mês de março, os dados mostram um processo de recuperação assimétrico entre os setores da economia chinesa, uma vez que a recuperação do setor industrial está se recuperando mais rapidamente na margem do que a demanda do consumidor. A produção industrial de março recuou 1,1% na variação em 12 meses (ante -13,5% no mês anterior) e os investimentos fixos registraram queda de 16,1% (recuperando do ritmo de -24,5% em fevereiro). Já as vendas no varejo recuaram 15,8% (ante cerca de 45% de queda no mês anterior). Em linhas gerais, acreditamos que a economia chinesa sofrerá uma significativa desaceleração da atividade econômica. Para 2020, projetamos crescimento de 2,3% do PIB na região.   

Destaques da próxima semana

No Brasil, os casos de Covid-19 continuarão a acelerar nos próximos dias. Além da evolução dos casos, será importante acompanhar as reações dos governos em relação à duração das medidas de distanciamento social, assim como a evolução das medidas, dentre elas as econômicas, de enfrentamento ao impacto da pandemia. No Congresso, a Câmara dos Deputado pode votar o PEC do orçamento de guerra. Além disso, as discussões legislativas continuarão a endereçar as medidas de suporte financeiro à estados e municípios, como forma de compensar a perda de arrecadação projetadas para o ano. Na agenda de divulgações econômicas, os dados de conta corrente para o mês de março serão divulgados na sexta-feira. No mesmo dia, a FGV divulga a leitura final para o indicador de confiança industrial referente a abril. 

Do lado internacional, os índices PMI industrial da Zona do Euro para abril serão divulgados na quinta-feira. No dia seguinte, serão conhecidas as ordens de bens duráveis da economia americana, referente ao mês de março.


 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf em anexo.

 



< Voltar