Itaú BBA - Reforma trabalhista avança

Semana em Revista

< Voltar

Reforma trabalhista avança

Abril 28, 2017

A reforma altera a legislação trabalhista, visando tornar o mercado de trabalho mais flexível.

Câmara dos Deputados aprova reforma trabalhista

Atenções continuam voltadas para a reforma da Previdência

PIB dos EUA cresce 0,7% no primeiro trimestre

Macron e Le Pen estão no segundo turno das eleições francesas 

Câmara dos Deputados aprova reforma trabalhista 

A reforma trabalhista foi aprovada no plenário da Câmara dos Deputados com 296 votos a favor e 177 votos contrários, e agora segue para o Senado Federal. A reforma altera a legislação trabalhista, visando tornar o mercado de trabalho mais flexível. Entre os pontos principais estão a prevalência das negociações individuais entre empresas e trabalhadores sobre a lei, a limitação do poder de tribunais de interpretarem a lei, e o fim da taxa de contribuição sindical compulsória. 

Atenções continuam voltadas para a reforma da Previdência 

Ao longo do mês de maio, o foco do mercado continuará voltado para a tramitação das reformas no Congresso, com destaque para a votação da reforma da Previdência em plenário da Câmara dos Deputados. Na nossa visão, a proposta como apresentada pelo relator Arthur Maia (PPS-BA) na Comissão Especial da Câmara, teria um impacto no resultado primário do governo federal de 1,3 p.p. do PIB em 2025 (equivalente a 66% da proposta original enviada pelo governo), na comparação com o cenário em que nenhuma reforma é aprovada. Acreditamos que o parecer de Maia poderá ser votado na Comissão Especial na próxima semana, mas podendo ser postergado para a semana iniciada em 8 de maio. 

Déficit primário de R$ 11 bilhões em março

O setor público consolidado registrou déficit primário de R$ 11 bilhões em março, ligeiramente acima das expectativas. Com isso, em 12 meses, o déficit primário consolidado manteve-se em 2,3% do PIB (Gráfico 1). Acreditamos que a aprovação e implementação das reformas fiscais (principalmente da Previdência) são fundamentais para reverter de forma consistente a trajetória ascendente da dívida pública.

Resultados mistos para os indicadores de confiança em abril

Os indicadores de confiança, divulgados pela FGV, mostraram resultados mistos em abril (Gráfico 2). Para o empresário industrial, houve uma alta de 0,6% no mês, com resultado positivo no componente de expectativas para o futuro (1,4%), e leve declínio na situação atual (-0,2%). O desempenho do indicador reforça nosso cenário de recuperação do setor industrial à frente. Na mesma linha, o indicador de confiança da construção civil subiu 1,9%, e o comércio subiu 4,1%, mostrando a quarta alta consecutiva no mês.

Do lado do consumidor, no entanto, houve recuo de 3,6% na confiança em abril, após alta de 4,3% em março. A queda no mês interrompe uma alta acumulada de 16,7% desde dezembro, e foi mais influenciada pelo componente de expectativas para o futuro (-4,8%) do que pela situação atual (-1,0%). Na mesma linha, o indicador de confiança de serviços recuou 1,3%.

Desemprego atinge 13,7% no primeiro trimestre

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), a taxa de desemprego nacional atingiu 13,7%, contra 13,2% no trimestre concluído em fevereiro. Com nosso ajuste sazonal, observamos alta do desemprego, que passou de 13,1% para 13,2% em março, vigésima oitava alta consecutiva (Gráfico 3). Projetamos que esta tendência continue à frente, uma vez que o ciclo de contração da atividade econômica ainda não teve seu impacto completo no mercado de trabalho. 

Déficit em conta corrente no primeiro trimestre é o menor desde 2007

A conta corrente apresentou superávit de US$ 1,4 bilhões em março, resultado acima das expectativas. Acumulado em 12 meses, o déficit recuou para US$ 20,6 bilhões ou 1,1% do PIB. Apesar do aumento do déficit de serviços e rendas, o superávit comercial recorde no primeiro trimestre ajudou a manter o déficit em conta corrente em patamares baixos. O déficit permanece amplamente financiado pelo investimento direto no país, que em 12 meses soma US$ 86 bilhões.

PIB dos EUA cresce 0,7% no primeiro trimestre

O crescimento do PIB dos Estados Unidos foi de 0,7% no primeiro trimestre do ano, abaixo das expectativas (Gráfico 4). Apesar do resultado, influenciado por uma expansão moderada do consumo (0,3%), o componente de investimento apresentou forte alta no período (10,4%). Na nossa visão, o consumo abaixo do esperado no primeiro trimestre é transitório, e o ritmo de crescimento dos investimentos é consistente com aceleração da demanda interna à frente. Projetamos o crescimento do PIB dos EUA em 2,3% e 2,4% para 2017 e 2018, respectivamente.

Macron e Le Pen estão no segundo turno das eleições francesas

Na França, o candidato independente Emmanuel Macron e candidata eurocética da Frente Nacional, Marine Le Pen, venceram o primeiro turno da eleição presidencial com 23,9% e 21,4% dos votos, respectivamente. O segundo turno será realizado no dia 7 de maio. Pesquisas recentes de intenções de voto para o segundo turno das eleições mostram que, hoje, Macron seria eleito presidente com uma margem extensa, cerca de 21 p.p., sobre as intenções de voto para Le Pen (Gráfico 5). 

Banco central europeu mantém estímulos

O banco central europeu (BCE) manteve as medidas de estímulos em abril. Apesar da melhora das perspectivas de crescimento na região, avaliamos que o BCE deverá manter sua postura acomodatícia por algum tempo, uma vez que a inflação segue em patamar baixo. Portanto, é provável que as taxas de juros reais permaneçam baixas, estimulando a atividade econômica.

Destaques da próxima semana 

No Brasil, as atenções estarão voltadas para o resultado da produção industrial de março na quarta-feira e as discussões acerca da reforma da Previdência no Congresso.

Nos EUA, os dados de sondagem de atividade econômica (ISM, na sigla em inglês) de abril serão divulgados na segunda-feira. O Fed, banco central americano, irá se reunir na quarta-feira para sua decisão de política monetária. Na sexta-feira, destaque para os dados desemprego e criação de emprego formal de abril. Por fim, também vale destacar a divulgação do PIB do primeiro trimestre da zona do euro na quarta-feira. 


 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf anexo.


 

 



< Voltar