Itaú BBA - Desemprego continua a recuar em agosto

Semana em Revista

< Voltar

Desemprego continua a recuar em agosto

Setembro 29, 2017

Usando nosso ajuste sazonal, o desemprego recuou de 12,7% para 12,6% em agosto, o quinto mês consecutivo de queda.

Melhora do mercado de trabalho começa a se estender para o emprego formal

Indicadores de confiança em alta em setembro

CMN mantém TJLP em 7%

Governo americano apresenta proposta de reforma tributária 

Melhora do mercado de trabalho começa a se estender para o emprego formal

Segundo dados da Pesquisa Nacional por Amostra de Domicílios Contínua (PNAD Contínua), a taxa de desemprego recuou para 12,6% em agosto, ante 12,8% no trimestre concluído em julho. Usando nosso ajuste sazonal, o desemprego recuou pelo quinto mês consecutivo, de 12,7% para 12,6% (Gráfico 1). A tendência de queda segue influenciada principalmente pelo emprego informal, mas o emprego no setor privado com carteira de trabalho passou a contribuir positivamente pela primeira vez no ciclo atual. Projetamos que a taxa de desemprego recuará até 12,2% ao fim de 2018, com uma contribuição cada vez maior do emprego formal.

Indicadores de confiança em alta em setembro

Os indicadores de confiança, divulgados pela FGV, mostraram uma melhora generalizada em setembro (Gráfico 2). Para o empresário industrial, houve uma alta de 0,7% no mês, com resultados positivos em ambos os seus componentes de situação atual (0,7%) e expectativas para o futuro (0,5%). O desempenho do indicador, maior nível desde 2014, reforça nosso cenário de recuperação do setor industrial à frente. Na mesma linha, o indicador de confiança da construção civil subiu 1,8%, e do comércio apresentou forte alta de 8,3%, mais que compensando as quedas observadas entre maio e agosto. Do lado do consumidor, houve alta de 1,7% na confiança em setembro, parcialmente revertendo a queda de 3,9% observada entre maio e agosto. Ambos os componentes de expectativas para o futuro (2,5%) e situação atual (0,3%) apresentaram altas.

CMN mantém TJLP em 7%

O Conselho Monetário Nacional (CMN) decidiu manter a Taxa de Juros de longo prazo TJLP em 7% ao ano, percentual que irá vigorar no quarto trimestre de 2017 (Gráfico 3). A TJLP é a taxa que atualmente baliza os juros cobrados pelo BNDES para a concessão de crédito. O Congresso aprovou no início de setembro a medida provisória nº 777, que institui a Taxa de Longo Prazo (TLP) que substituirá a TJLP na remuneração de contratos de financiamento do BNDES a partir de 1º de janeiro de 2018. De acordo com o texto-base aprovado, a TLP será aplicada apenas aos novos contratos e, além disso, a transição para que a nova taxa reflita integralmente os parâmetros de mercado será suave. Nesse contexto, vale notar que a TJLP continuará existindo enquanto houver estoque de crédito que foi concedido a esta taxa, e seu valor continuará sendo definido trimestralmente pelo CMN.

Déficit primário menor que o esperado em agosto

O setor público consolidado registrou um déficit primário de R$ 9,5 bilhões em agosto, abaixo das expectativas. Com isso, o déficit acumulado em 12 meses recuou de 2,6% em julho para 2,4% do PIB em agosto (Gráfico 4). O governo central, conforme divulgado pelo Tesouro Nacional, apresentou déficit de R$ 9,6 bilhões, com a surpresa refletindo principalmente a antecipação no saque de precatórios, antes previsto apenas para setembro. Na nossa visão, o governo deve conseguir cumprir a meta para o ano de déficit primário de R$ 162 bilhões (-2,4% do PIB) para o setor público consolidado. Apesar da surpresa positiva no mês, os resultados fiscais continuam em uma tendência estrutural de deterioração, reforçando a extrema importância de reformas (principalmente a da Previdência) que corrijam o desequilíbrio fiscal do país.

Governo arrecada R$ 15,8 bilhões com leilões e licitações

O governo federal arrecadou R$ 15,8 bilhões com o leilão de quatro usinas hidrelétricas (R$ 12,1 bilhões) e a realização da 14ª Rodada de Licitações de blocos para exploração de petróleo e gás natural (R$ 3,8 bilhões). Segundo fontes do governo, o valor arrecadado com as quatro usinas foi 9,73% acima do esperado (R$ 11 bilhões). Na nossa visão, os resultados contribuem para redução das incertezas em torno da agenda de receitas extraordinárias neste ano.

Pequeno déficit em conta corrente em Agosto

O resultado em conta corrente no mês de agosto mostrou déficit de US$ 302 mi, em linha com as expectativas. Acumulado em 12 meses, o déficit em conta corrente permaneceu estável em torno dos US$ 13 bi ou 0,7% do PIB (Gráfico 5). A principal contribuição positiva para o resultado do mês veio mais uma vez da balança comercial, que apresentou superávit de US$ 5,3 bilhões, acima dos US$ 3,9 bi registrados em agosto de 2016. O superávit comercial vem perdendo força em função da queda dos preços de commodities e alguma retomada da atividade. Ainda assim, acreditamos que o saldo comercial forte seguirá como o principal fator para a manutenção de um déficit em conta corrente baixo.

Governo americano apresenta proposta de reforma tributária

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, apresentou detalhes sobre sua proposta de reforma tributária. As medidas preveem redução de impostos para empresas (dos atuais 35% para 20%) e simplificação de categorias de imposto de renda. O próximo passo é o envio do documento para votação no Congresso. Nos mercados globais, como reação à proposta de estímulo fiscal, somado à maior disposição do FOMC em realizar mais uma alta de juros (de 0,25p.p.) ainda esse ano, a moeda americana se fortaleceu frente às principais moedas globais (Gráfico 6).

Destaques da próxima semana

No Brasil, a balança comercial de setembro será divulgada segunda-feira. Na terça-feira, destaque para a produção industrial de agosto na terça-feira. A inflação do IPCA de setembro será divulgada na sexta-feira. Do lado político, destaque para a discussão e apresentação de defesa sobre a segunda denúncia contra o presidente Michel Temer na Comissão de Constituição e Justiça da Câmara. 

Do lado internacional, a sondagem do empresário de setembro nos EUA (ISM, na sigla em inglês) será divulgada na segunda-feira. Na sexta-feira, as atenções estarão voltadas para os dados de criação de emprego formal e taxa de desemprego de setembro da economia americana.


 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf anexo.


 

 



< Voltar