Itaú BBA - Dados fortes dão sinal mais claro de aceleração no Brasil

Semana em Revista

< Voltar

Dados fortes dão sinal mais claro de aceleração no Brasil

Dezembro 20, 2019

Indicadores de atividade muito acima das expectativas impulsionaram o tom de otimismo na semana.

 Mercado de trabalho e confiança mostram recuperação da atividade

 Orange Book: otimismo com 2020 parece ser um consenso entre o empresariado

 Inflação acelera na margem, mas perspectivas seguem benignas

 Comunicação do BC mantém espaço para cortes de juros à frente

 Câmara norte-americana aceita processo de impeachment de Donald Trump

Criação de empregos formais surpreende em novembro

Segundo o Ministério do Trabalho, houve criação líquida de 99 mil empregos formais (Caged) no mês de novembro, resultado acima do teto das expectativas do mercado (+68 mil, nossa projeção e o consenso do mercado: +47 mil). Dados livres de efeitos sazonais apontam para criação de 103 mil postos de trabalho, levando a média móvel de 3 meses para 80 mil empregos, ante 60 mil no mês anterior (gráfico 1). Tal resultado é consistente com um crescimento do PIB em ritmo de 2,8% anualizado, acelerando ante 2,1% no mês anterior e 1,4% três meses antes. Na composição setorial, uma aceleração significativa na criação de empregos foi observada nos setores de serviços e varejo, enquanto a indústria de transformação continua relativamente estagnada.

Confiança registra alta difundida nos setores

Os indicadores de confiança de consumidores, da construção civil e a prévia da indústria mostraram avanços expressivos em dezembro (gráfico 2), todos puxados por melhoras tanto nos componentes de expectativas, quanto nos componentes de situação atual. De acordo com a FGV, a confiança do consumidor aumentou 2,7 pontos no período, para 91,6, a prévia da indústria subiu 3,0 pontos, para 99,3, e a confiança da construção registrou alta de 3,3 pontos para 92,3 – o maior nível desde junho de 2014. 

Orange Book Brasil: 2020 chegou mais cedo 

Em linha com a melhora comentada acima, a última edição do Orange Book – relatório que resume o que ouvimos em nossas conversas com o setor real – aponta melhora drástica no humor das empresas ao longo dos últimos meses do ano. A reforma da previdência foi finalmente aprovada e os dados econômicos começaram a melhorar de forma gradual: o consumo surpreendeu para cima, o investimento mostrou algum sinal de vida, a geração de empregos com carteira assinada acelerou e os juros continuaram caindo, formando um certo círculo virtuoso de notícias que contou mais recentemente com revisões positivas das expectativas de crescimento (as primeiras em muito tempo) e melhora da perspectiva da nota de crédito soberano pela agência S&P. De forma geral, o empresariado acredita que 2020 deve ser um ano de crescimento forte. Clique aqui para ver o relatório completo.

IPCA-15 acelera na margem, mas perspectivas seguem benignas

A inflação medida pelo IPCA-15 de dezembro ficou em 1,05% (gráfico 3), um pouco acima da nossa projeção (0,99%) e do consenso do mercado (0,95%), avançando na comparação anual de 3,7% para 3,9%. Analisando os principais movimentos, os preços da carne bovina aumentaram 18,7%, contribuindo para o aumento de 3,62% na alimentação no domicílio. Fora esse movimento, os componentes do IPCA-15 tiveram comportamento benigno. Olhando para as medidas de núcleos, serviços subjacentes subiram acima do esperado devido à pressão da carne bovina sobre a alimentação fora de casa. Por outro lado, o núcleo de produtos industriais apresentou deflação de 0,03% no mês, provavelmente causada por descontos acima do esperado na Black Friday.

Comunicação do BC mantém espaço para cortes de juros

O relatório de inflação de dezembro mostrou projeções consistentes, a nosso ver, com cortes adicionais da taxa Selic nas próximas reuniões do Copom. Adicionalmente, o documento indica que a taxa Selic pode permanecer em nível próximo do mínimo por tempo considerável, com alta somente a partir de 2021. Dentre os estudos que são tipicamente apresentados nesse relatório trimestral, destacam-se, a nosso ver, os que analisam o mercado de trabalho e mostram que: (1) o setor informal tem sido primordial para a recuperação do mercado de trabalho e (2) indicadores de taxa de desocupação ajustados pelas horas de trabalho mostram uma redução do nível de ociosidade mais lenta do que a apontada pela taxa de desocupação tradicional. Também importante, acreditamos que a trajetória das projeções de inflação divulgadas por trimestre indica que o BCB pode ser surpreendido com um resultado cerca de 0,40 p.p. mais baixo que o que espera para o primeiro trimestre de 2020 – o que reforça nossa convicção de que a autoridade monetária irá enxergar mais espaço para reduzir novamente a taxa Selic à frente.

Congresso aprova orçamento para 2020

O Congresso aprovou na terça-feira o projeto de lei do orçamento da União em 2020. Um ponto de destaque é que o reajuste do salário mínimo será realizado de acordo com a inflação observada em 2019. Isso é importante para a continuidade do ajuste fiscal porque, como o salário mínimo define uma série de benefícios, entre eles o piso da previdência, ganhos em termos reais implicariam aumento dos gastos. Outro detalhe interessante do orçamento aprovado é que ele prevê economia de R$ 6 bilhões na segunda metade do ano que vem, partindo da hipótese de que a PEC emergencial – que traz mecanismos de controle dos gastos públicos – será aprovada até junho do próximo ano. Com a inclusão dessa economia, o relator do projeto teve espaço para ampliar as despesas discricionárias, como custeio e investimento, sem prejudicar o cumprimento do teto de gastos.

Pedido de impeachment de Trump é aceito na Câmara americana

A Câmara norte-americana aceitou o pedido de impeachment do presidente Donald Trump por abuso de poder e obstrução ao Congresso. Apesar do resultado, de acordo com a lei americana, ainda é necessária a aprovação do processo no Senado com uma maioria de dois terços dos senadores (na Câmara, foi necessário apenas maioria simples), o que deve ocorrer de forma acelerada – provavelmente com início em janeiro. Apesar da celeridade, acreditamos que são remotas as chances de que Trump seja removido de seu mandato presidencial, uma vez que o Senado conta com maioria republicana, além da barra mais alta para aprovação ante o necessário na Câmara.

Dados mostram sinais de estabilização do crescimento global

Indicadores de atividade na China foram melhores que o esperado em novembro, reforçando o cenário de estabilização da economia do país. A produção industrial acelerou para 6,2% de crescimento em termos anuais, ante 4,7% no mês anterior, enquanto as vendas no varejo passaram para 8,0%, de 7,2%. Isso vai em linha com nossa visão que o quarto trimestre marca um ponto de inflexão em termos de crescimento, que deve continuar desacelerando nos próximos anos, mas de forma apenas gradual.

Nos Estados Unidos, dados positivos para atividade e setor imobiliário também corroboraram o cenário de estabilização da economia global. No mercado de trabalho, pedidos iniciais de seguro-desemprego desaceleraram de 252 mil para 234 mil em dezembro, mas ficaram acima das expectativas, de 225 mil. Na mesma direção, o mercado de imóveis usados apresentou um recuo de 1,7% no mês, resultado bastante abaixo das expectativas de mercado (-0,4%). 

Destaques da próxima semana

No Brasil, dados de desemprego de novembro serão divulgados na sexta-feira. Ainda do lado da atividade, indicadores de confiança de dezembro do setor de comércio e serviços, além da indústria (final), serão divulgados ao longo da semana. O BC também divulga, na sexta-feira, dados do mercado de crédito para novembro.

Do lado internacional, o destaque fica para dados de atividade nos Estados Unidos, com indicadores de pedidos de bens duráveis de novembro sendo divulgados na segunda-feira. Na sexta-feira, as vendas de varejo na Alemanha serão publicadas.


 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf em anexo.



< Voltar