Itaú BBA - Copom: Novo formato, mesma mensagem

Semana em Revista

< Voltar

Copom: Novo formato, mesma mensagem

Julho 22, 2016

Esperamos que o Copom reduza a taxa Selic duas vezes este ano, para 13,50% a.a.

Copom sinaliza juros estáveis no curto prazo 

Alimentos pressionam inflação em julho

Indicador de confiança da indústria segue em alta 

Sondagem mostra efeito do Brexit no Reino Unido, mas não ainda na UE

Copom sinaliza juros estáveis no curto prazo 

O Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom), agora sob a liderança do presidente Ilan Goldfajn, decidiu, por unanimidade, manter a taxa Selic inalterada em 14,25% a.a. O Comitê alterou de forma substancial o formato do comunicado, tornando-o bem mais informativo. Na nossa visão, essa mudança é positiva e acreditamos que aumentará a eficácia da política monetária à frente. A sinalização contida no comunicado nos parece clara: o ciclo de corte de juros dificilmente será iniciado antes do último trimestre deste ano. Mesmo em relação a um corte de juros em outubro há incerteza, embora continuamos acreditando que este seja o cenário mais provável. Esperamos que o Copom reduza a taxa Selic duas vezes este ano, para 13,50% a.a.

Alimentos pressionam inflação em julho 

Em julho, o IPCA-15 teve alta de 0,54% em julho, resultado acima da nossa estimativa e próximo do teto das expectativas de mercado. Com isso, a taxa em 12 meses recuou um pouco para 8,93%, vindo de 8,98% em junho. A principal pressão do mês veio do grupo alimentação (0,37 ponto percentual), ainda sob a forte influência de aumentos nos preços do feijão e do leite (Gráfico 1). Apesar da surpresa no resultado do IPCA-15, projetamos o IPCA do mês fechado em 0,45%, já contando com alguma desaceleração na alta dos alimentos.

Prévia do indicador de confiança da indústria sobe 4,2% em julho

O índice de confiança do empresário industrial subiu 4,2% em julho, segundo a prévia da sondagem empresarial da FGV (Gráfico 2). A prévia do nível de utilização da capacidade instalada (NUCI) aponta para uma leve alta de 0,4 p.p., mostrando alguma estabilidade nos últimos meses. A divulgação final ocorrerá na próxima sexta-feira. Esperamos que a confiança siga uma tendência de alta nos próximos meses, sugerindo uma recuperação da produção industrial no segundo semestre.

Sondagem mostra efeito do Brexit no Reino Unido, mas não ainda na UE

Foram divulgadas as primeiras sondagens com empresas dos setores industrial e de serviços (PMI) após o Brexit na Europa. O indicador de julho para a região ficou estável em relação ao mês anterior, sugerindo um impacto ainda limitado do Brexit sobre a União Europeia. No entanto, o indicador do Reino Unido recuou de 52,4 em junho para 47,7, indicando uma desaceleração da atividade à frente (Gráfico 3). Além disso, em sua reunião de política monetária, o Banco Central Europeu (BCE) manteve os estímulos monetários, como era esperado e sinalizou que irá monitorar os efeitos sobre a atividade da decisão de saída do Reino Unido da União Europeia (Brexit).

FMI reduz projeção de crescimento global

O Fundo Monetário Internacional (FMI) divulgou uma atualização das suas projeções econômicas, incorporando os possíveis efeitos negativos do Brexit.  A autoridade aponta que o evento deve levar a um aumento da incerteza na região, principalmente do lado político. Para a União Europeia, o crescimento em 2017 passou a ser de 1,4%, vindo de 1,6% no relatório de abril. O crescimento da economia global foi revisado para baixo em 0,1 p.p. para 3,1% e 3,4% em 2016 e em 2017, respectivamente, incorporando um ritmo menor de crescimento para as economias avançadas. Para o Brasil, as projeções de crescimento foram revisadas em 0,5 p.p. para -3,3% e para 0,5% em 2016 e em 2017, respectivamente (Tabela 1), incorporando os sinais de estabilização da atividade.

Partido Republicano confirma Donald Trump como candidato à presidência

Nesta semana, Donald Trump foi confirmado como o candidato do Partido Republicado à presidência, depois de Trump ter conseguido o número de delegados necessário durante a convenção nacional do partido em Ohio. Trump irá disputar o cargo com a candidata democrata, Hillary Clinton. As últimas pesquisas de intenção de voto apontam que Trump diminuiu a vantagem de Hillary (Gráfico 4). No entanto, esse movimento é esperado, uma vez que, nas eleições anteriores, quando há confirmação do candidato (como foi o caso de Trump), o mesmo avança um pouco nas pesquisas.

Destaques da próxima semana

No Brasil, a semana será com várias divulgações importantes. O Copom divulga na terça-feira a ata da última reunião de política monetária. Como ocorreu com o comunicado, a ata irá ser publicada com um novo formato. Na sexta-feira, o IBGE divulga a taxa nacional de desemprego de junho, de acordo com a PNAD Contínua. Os dados do setor externo e de crédito, ambos de junho, serão divulgados na terça-feira e na quarta-feira, respectivamente. O resultado primário do governo consolidado de junho será divulgado na sexta-feira e a arrecadação federal, também de junho, pode ser divulgada, mas não há data definida. Por fim, os dados de criação de empregos formais (CAGED) de junho serão divulgados na quarta-feira.

Do lado internacional, no final de semana, ocorre a reunião dos líderes do G-20. Nos Estados Unidos, destaque para a reunião de política monetária na quarta-feira e para a primeira divulgação do PIB do segundo trimestre na sexta-feira.


 

Caio Megale

Laura Pitta

André Matcin


 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf anexo.


 



< Voltar