Itaú BBA - Atividade mostra novos sinais de recuperação gradual

Semana em Revista

< Voltar

Atividade mostra novos sinais de recuperação gradual

Dezembro 6, 2019

PIB surpreende e acena novamente com aceleração gradual

 Crescimento do PIB supera expectativas no 3T19

 Produção industrial de outubro cresce 0,8% no mês

 IPCA acelera em novembro após alta de carnes, mas núcleos seguem benignos

 Trump impõe tarifas sobre aço e alumínio importados do Brasil e Argentina

 Criação de empregos surpreende expectativas nos EUA

PIB reforça cenário de aceleração gradual da atividade econômica 

O PIB cresceu 0,6% no 3T19 ante o trimestre anterior após ajuste sazonal (gráfico 1), um pouco acima das expectativas do mercado (+0,4%) e da nossa projeção (+0,5%). Na comparação anual, o PIB avançou 1,2%. O resultado apresentou uma boa composição. Do lado da oferta, a produção agropecuária (+1,3%) foi mais fraca do que projetávamos, mas a produção industrial (+0,8%) cresceu mais do que tínhamos previsto. Os serviços expandiram 0,4% em relação ao trimestre anterior. Do lado da demanda, tanto o consumo (+0,8%) quanto os gastos do governo (-0,4%) foram mais fracos do que esperávamos, enquanto o investimento cresceu mais fortemente (+2,0%). As exportações caíram pelo terceiro trimestre consecutivo, como esperado. A indústria extrativa cresceu 12,0% na comparação trimestral (após dois trimestres de quedas significativas), atingindo o maior nível histórico em termos dessazonalizados. Outro destaque foi o setor de construção, que aumentou 1,3% em relação ao trimestre anterior, segundo avanço consecutivo. Esse setor pesou negativamente no crescimento econômico nos últimos anos e agora está contribuindo positivamente. Os dados reforçam que a atividade econômica está acelerando gradualmente. Para 2020, prevemos crescimento de 2,2% do PIB.

Produção industrial avança em outubro

A produção industrial cresceu 0,8% com ajuste sazonal em outubro (gráfico 2), resultado ligeiramente acima de nossa projeção (+0,7%) e abaixo das expectativas de mercado (+0,9%). Olhando para as aberturas, a indústria de transformação cresceu pelo terceiro mês consecutivo (+0,8%), enquanto a extrativa recuou 1,1% na variação mensal com ajuste sazonal. Destaca-se a produção de bens de consumo duráveis, que avançou pelo segundo mês consecutivo (+1,3%), acumulando no ano um crescimento de 2,1% contra o mesmo período de 2018. Já os componentes da produção industrial ligados ao investimento continuam relativamente estáveis em níveis baixos. 

IPCA acelera em novembro, puxado por preços de carne bovina

O IPCA de novembro registrou alta de 0,51% (gráfico 3), acima da nossa projeção e da mediana das expectativas do mercado, ambas em 0,47%. O destaque do mês foi a alta de 1,01% em alimentação no domicílio (ante -0,03% em outubro), puxada pelos preços de carne bovina (+8,5%, acima da nossa projeção de +6,7%). Em 12 meses, o indicador acumula alta de 3,27%. Apesar dos choques, as medidas de núcleo de inflação seguem em patamares confortáveis. O núcleo de serviços subjacente aumentou 0,13% no mês, em linha com nossa projeção. Assim, o acumulado em 12 meses caiu para 3,3%, desacelerando de 3,6% em outubro. 

Trump anuncia tarifas sobre aço e alumínio importados do Brasil

O presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, anunciou em sua conta oficial do Twitter que as tarifas sobre aço e alumínio importados do Brasil e da Argentina entrariam em vigor novamente, após ambos os países terem sido isentados desta tarifação em 2018. De acordo com o presidente, a depreciação das moedas destas duas economias observada nos últimos meses pode impactar negativamente os negócios estado-unidenses, ao aumentar artificialmente a competitividade dos produtos importados destas regiões. Apesar de ter sido anunciada, as tarifas ainda não entraram em vigor. Antes, elas precisam ser ratificadas pelo Escritório de Comércio dos EUA. 

Criação de empregos surpreende expectativas nos EUA

Em novembro, foram criados 266 mil empregos nos EUA (gráfico 4), acima do teto das expectativas do mercado (237 mil). Com isso, a média móvel de 3 meses acelerou para 205 mil, ante 189 mil em outubro. Além do resultado forte neste mês, os meses de setembro e outubro foram revisados para cima em 13 mil e 28 mil, respectivamente. A variação anual do salário por hora trabalhada recuou para 3,1% (ante 3,2% em outubro), enquanto a taxa de desemprego apresentou queda de 0,1 p.p para 3,5%. De modo geral, este resultado sólido no mercado de trabalho, somada à primeira fase do acordo comercial com a China, diminui as chances de uma recessão nos EUA. 

Destaques da próxima semana

No Brasil, o destaque fica para a publicação da decisão do Copom, na quarta-feira. Esperamos que o comitê reduza novamente a taxa Selic em 0,50 p.p., para 4,50%. No mesmo dia, serão divulgados os dados de venda no varejo referentes a outubro. Na quinta-feira, indicadores de receita do setor de serviços serão publicados, também para outubro. Finalmente, na sexta-feira, o Banco Central divulga o IBC-Br.

Do lado internacional, o banco central dos EUA irá publicar sua decisão de política monetária algumas horas antes da decisão do Copom, na quarta-feira. No mesmo dia, serão divulgados os dados de inflação de novembro, e, na sexta-feira, o resultado das vendas de varejo para o mesmo mês. Na Europa, as eleições gerais antecipadas do Reino Unido estão agendadas para a quinta-feira. No mesmo dia, o Banco Central Europeu divulga sua decisão de política monetária.


 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf em anexo.



< Voltar