Itaú BBA - Atividade econômica em recuperação

Semana em Revista

< Voltar

Atividade econômica em recuperação

Setembro 15, 2017

A atividade econômica segue retomando de forma gradual, com avanços na indústria, varejo e no mercado de trabalho.

Vendas do varejo estáveis, consolidando a retomada

Ata do Copom: preparando o término do ciclo de cortes

Inflação de agosto mais robusta nos EUA

China: desaceleração moderada no 2S17 

Vendas do varejo estáveis, consolidando a retomada

As vendas no varejo ficaram estáveis em julho, em termos dessazonalizados, resultado ligeiramente abaixo das expectativas (Gráfico 1). As aberturas mostram um quadro equilibrado entre setores em expansão e contração, em linha com o resultado agregado. Com esse resultado, o desempenho recente consolida o processo de retomada do consumo, reflexo da queda da inflação (que aumenta a renda real das famílias), da redução das taxas de juros e do saque das contas inativas do FGTS. A melhora no ritmo de contratações também ajuda a explicar a recuperação. Olhando à frente, projetamos que as vendas no varejo sigam em tendência de recuperação nos próximos meses, embora em ritmo menor devido a menos contribuições da desinflação e do saque das contas inativas do FGTS. 

Com as vendas no varejo, completamos nosso cálculo do PIB mensal Itaú Unibanco (PIBIU) de julho. O indicador subiu 0,5% no mês, após ajuste sazonal (Gráfico 2).  Na comparação com o mesmo mês do ano anterior, o PIB mensal avançou 3,1%. A atividade econômica brasileira está retomando de forma gradual, com avanços observáveis na indústria, no varejo e no mercado de trabalho. 

Ata do Copom: preparando o término do ciclo de cortes

O Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil (Copom) publicou a ata de sua última reunião. O documento confirmou a mensagem, apresentada no comunicado, de que o cenário base neste momento é um corte de 0,75 p.p. em outubro, desde que as condições econômicas atuais - ou seja, a estabilização da atividade econômica em meio à ampla ociosidade, especialmente no mercado de trabalho - permaneçam inalteradas. Olhando mais adiante, duas mensagens parecem se destacar. Em primeiro lugar, o comitê como um todo contempla uma conclusão gradual do ciclo de flexibilização, sugerindo uma trajetória que levaria gradualmente a taxa básica de juros para o patamar de 7,0% - conforme indicado pelas projeções apresentadas no texto. A segunda mensagem é que a política monetária precisa manter flexibilidade para enfrentar riscos de queda e de alta para a perspectiva de inflação. Desta forma, apesar de 7,0% parecer ser o ponto final mais provável do ciclo, mudanças no cenário podem levar o Copom a se desviar um pouco desta trajetória.

PGR apresenta nova denúncia contra Temer

O procurador-geral da República, Rodrigo Janot, denunciou o presidente Michel Temer ao Supremo Tribunal Federal (STF), sob acusação de obstrução da Justiça e participação em organização criminosa. O Ministro do STF, Edson Fachin, pode encaminhar a denúncia para a votação da Câmara dos Deputados até o final da semana que vem, mas decidiu por aguardar o julgamento da Suprema Corte no próximo dia 20 de setembro, que irá decidir sobre o pedido de defesa de Temer de suspensão do envio da denúncia até que haja uma definição da possível revisão ou rescisão do acordo de colaboração premiada de integrantes do grupo J&F. 

Caso o parecer seja enviado ao plenário da Câmara, este precisará de pelo menos 342 votos (dois terços dos deputados) para autorizar a abertura do processo contra o presidente. Se autorizada na Casa, a denúncia volta para o STF para ser julgada pela Corte.

Inflação de agosto mais robusta nos EUA

A inflação do consumidor da economia americana apresentou resultados acima das expectativas em agosto, após cinco decepções consecutivas. O núcleo da inflação (que excluí energia e alimentos) subiu 0,25% no mês, influenciado por pressão do componente de serviços (Gráfico 3). Com esse resultado, acreditamos que persiste a possibilidade do Fed, banco central americano, aumentar a taxa de juros (em 0,25 p.p.) mais uma vez esse ano (na reunião de dezembro), seguido de mais três altas no ano que vêm. Soma-se a isso um contexto de continuidade de resultados sólidos na criação de emprego dos EUA, que deve se refletir em pressão de alta sobre os salários à frente e, consequentemente, sobre a inflação.

Banco Central da Inglaterra sinaliza retirada de estímulo 

O Banco Central da Inglaterra (BoE), em sua última decisão de política monetária, manteve a taxa de juros no mínimo histórico de 0,25% e admitiu a possibilidade de iniciar o processo de redução gradual de estímulos nos próximos meses se a economia evoluir como previsto. 

China: desaceleração moderada no 2S17

Em agosto, a atividade econômica moderou em relação ao ritmo sólido observado nos últimos meses, contrariando as indicações da última sondagem do empresário (PMI, na sigla em inglês). O ritmo de crescimento da produção industrial recuou 0,4 p.p., para 6,0% (Gráfico 4), o investimento fixo acumulado no ano ficou em 7,8% e o crescimento das vendas no varejo desacelerou para 10,1%. A desaceleração generalizada no mês é em parte explicada por um ritmo menor de investimentos públicos e dados mais fracos de produção (destaque para metais, cimento e carvão). Por outro lado, os dados de crédito apresentaram resultados acima das expectativas em agosto, com a recuperação nas concessões de empréstimos para famílias e empresas. Na nossa visão, os dados de atividade de agosto são consistentes com a desaceleração gradual da economia no segundo semestre do ano, e riscos controlados. 

Destaques da próxima semana 

No Brasil, o Banco Central divulga o relatório de inflação do terceiro trimestre na quinta-feira. No mesmo dia, o IBGE divulga a inflação do IPCA-15 de setembro. Ainda sem data definida, devem ser divulgados os dado de criação de emprego formal (Caged) e arrecadação federal (ambos para agosto).

Do lado internacional, destaque para as decisões de política monetária dos bancos centrais dos EUA e Japão, ambos na quarta-feira. Na sexta-feira, os dados de sondagem do empresário (PMI, na sigla em inglês) de setembro da Zona do Euro deve ser divulgado.


 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf anexo.


 

 



< Voltar