Itaú BBA - Semana em Revista
  • Criação de emprego surpreende positivamente em setembro  

    Dados livres de efeitos sazonais apontam para criação de 65 mil postos de trabalho.

  • Negociações comerciais entre EUA e China avançam  

    As negociações contribuem para o caminho para um eventual acordo mais amplo a ser assinado pelos presidentes Donald Trump e Xi Jinping.

  • Senado aprova texto base da reforma da Previdência  

    O impacto fiscal atual da proposta é de R$ 735 bilhões acumulado em dez anos. Há expectativa que a votação em segundo turno seja concluída antes do fim do mês.

  • Resultados de atividade ainda ambíguos, mas sinalizando possível aceleração  

    Criação de emprego formal e taxa de desemprego surpreenderam em direções opostas.

  • Copom reduz taxa Selic para 5,50% a.a.  

    O comunicado da reunião indica que um corte adicional de 0,50 p.p. é provável na reunião de outubro.

  • Atividade em julho surpreende positivamente  

    Ainda que de forma errática, economia acenou recuperação em julho, com avanços expressivos no setor de comércio e serviços.

  • Produção industrial recua em julho  

    Os dados continuam a indicar ritmo lento de recuperação da atividade econômica.

  • PIB cresce 0,4% no segundo trimestre  

    Setor de construção é destaque positivo, crescendo 1,9%.

  • Mercado argentino sob pressão após eleições primárias  

    A diferença de 15 p.p. entre os candidatos surpreendeu as expectativas, resultando em pressão nos principais indicadores financeiros do país.

  • A Semana em Revista – Reforma da previdência é encaminhada ao Senado  

    O próximo passo é a discussão na Comissão e Constituição e Justiça do Senado, que possivelmente terá início na próxima semana.

  • Copom reduz taxa básica de juros para 6% ao ano  

    Em meio à atividade fraca, inflação benigna e a primeira votação da reforma da previdência no Congresso, o Copom cortou a Selic em 0,50 p.p.

  • Indicadores de confiança têm evolução ambígua em julho  

    O desempenho recente dos indicadores de confiança é consistente com ritmo moderado da atividade.

  • Economia tem primeiro mês positivo em 2019  

    O destaque foi o indicador de atividade IBC-Br, que registrou o primeiro crescimento desde o início do ano.

  • Câmara aprova texto base da reforma da Previdência  

    Texto principal da reforma é aprovado na Câmara dos Deputados, com margem expressiva de votos favoráveis

  • Reforma da Previdência avança para plenário da Câmara  

    O texto segue para análise da Câmara, onde precisa ser aprovado em dois turnos, com mínimo de 308 votos, antes de ir para o Senado.

  • Confiança interrompe sequência de queda em junho  

    A maior parte dos indicadores de confiança de junho apresentou alta, interrompendo a sequência de quedas dos últimos meses.

  • Copom pronto para retomar ciclo, condicional à reforma  

    O comunicado abre caminho para a retomada do ciclo de flexibilização monetária, desde que haja “avanços concretos” na agenda de reformas

  • Relator apresenta parecer sobre Previdência na Comissão Especial da Câmara  

    Após acordo com centro, previdência pode ter trâmite acelerado no Congresso

  • Produção industrial cresce em abril, apesar da queda na indústria extrativa  

    Há uma tendência moderada de recuperação da indústria de transformação

  • PIB recua 0,2% no primeiro trimestre do ano  

    Para o 2T19, nossa projeção preliminar é de apenas ligeiro crescimento do PIB, de 0,1%.

  • Foram criados 130 mil empregos formais em abril  

    Dados livres de sazonalidade apontam para avanço de 50 mil postos de trabalho

  • Atividade econômica continua piorando  

    Mês foi marcado por recuos nos indicadores de atividade econômica.

  • Copom mantém Selic em 6,5% ao ano  

    O comunicado pós-reunião sugere que as autoridades estão menos otimistas quanto ao ritmo de recuperação da economia.

  • Queda disseminada da produção industrial  

    A fraqueza na indústria foi disseminada entre os componentes

  • CCJ da Câmara sanciona a reforma da previdência  

    CCJ aprovou nesta semana a admissibilidade da proposta de reforma da Previdência por 48 votos a 18.

  • PIB da China em ritmo de 6,4% no 1T19  

    O processo de desaceleração do crescimento chinês começa a dar sinais de inflexão, oferecendo perspectivas melhores à frente.

  • Crescimento menor, queda de juros condicional às reformas  

    Reduzimos projeções de PIB em 2019 (para 1,3%) e 2020 (para 2,5%), e passamos a projetar a Selic em 5,75% para 2019 e 5,5% para 2020.

  • Produção industrial impactada por setor extrativo  

    A indústria extrativa recuou no mês (-14,8%), em partes refletindo a redução da produção após o rompimento da barragem em Brumadinho.

  • Mercado de trabalho em ritmo lento de recuperação  

    Olhando à frente, projetamos que a taxa de desemprego recue para 11,8% até o fim de 2019 e 11,5% ao fim de 2020.

  • Governo apresenta reforma da previdência dos militares  

    Se a proposta for aprovada, economia líquida esperada é de R$ 10,45 bilhões em dez anos.

  • Inflação comportada e atividade fraca no início de 2019  

    Dados corroboram IPCA bem comportado e atividade fraca no início de 2019

  • PIB cresce 1,1% em 2018  

    A recuperação que começou em 2017 segue tímida em comparação às quedas do PIB em 2015 (-3,5%) e 2016 (-3,3%)

  • Governo apresenta reforma da Previdência ao Congresso  

    A proposta de reforma enviada pelo governo implica economia de 2,7% do PIB em 2027 (ou R$ 1,1 trilhão no acumulado em 10 anos).

  • Varejo recua em dezembro, com devolução de Black Friday e queda em veículos  

    Entre os dez setores do varejo ampliado, apenas três subiram em dezembro

  • Copom mantém taxa Selic em 6,50% a.a.  

    A decisão do Copom foi em linha com as expectativas. No entanto, o comunicado foi mais austero do que antecipávamos.

  • Produção industrial sobe 1,1% em 2018  

    No mês de dezembro, a produção industrial avançou 0,2% na comparação mensal dessazonalizada.

  • Foram criados 530 mil empregos formais em 2018  

    O resultado acumulado de 2018 foi o maior ritmo anual de criação de empregos desde 2012.

  • Vendas no varejo surpreendem, influenciadas pela Black Friday  

    Projetamos queda em dezembro, com normalização após efeito temporário das promoções.

  • Retomada gradual da atividade com perspectiva de melhora fiscal  

    Esperamos déficits primários minguantes de 1,7% do PIB em 2018, de 1,3% em 2019 e 0,8% em 2020

  • Jair Bolsonaro toma posse como presidente do Brasil  

    O novo presidente disse que implementará reformas destinadas a garantir a sustentabilidade das contas públicas.

  • Mercado de trabalho segue em recuperação gradual  

    Mercado de trabalho segue em recuperação gradual.

  • Criação de emprego formal segue melhorando no 4T18  

    Com este resultado, a média móvel de 3 meses avançou de 63 mil para 71 mil empregos

  • Cenário de Selic estável ganha força  

    O comunicado trouxe mudanças importantes, todas em direção mais benigna para a inflação prospectiva

  • Inflação baixa em novembro  

    A nossa projeção preliminar para o IPCA de dezembro aponta variação de 0,17%

  • PIB avança 0,8% no terceiro trimestre  

    O resultado foi distorcido pelo efeito direto da paralisação dos caminhoneiros no 2T18.

  • Mercado de trabalho segue avançando em outubro  

    Dados livres de sazonalidade apontam para a criação de 51 mil empregos no mês.

  • Banco Central será comandado por Roberto Campos Neto  

    A escolha aconteceu após o atual presidente, Ilan Goldfajn, recusar a oferta, alegando motivos pessoais

  • Novo governo, mesmos desafios  

    Revisamos nossa projeção de crescimento do PIB para 2,5% em 2019

  • Jair Bolsonaro é eleito presidente do Brasil  

    Jair Bolsonaro obteve 55,1% dos votos válidos, contra 44,9% de seu adversário.

  • À espera do segundo turno  

    O segundo turno das eleições presidenciais acontece neste domingo.

  • Receita de serviços surpreende em agosto  

    A alta de 1,2% no mês de agosto compensou parcialmente a queda de 2% no mês anterior

  • Jair Bolsonaro lidera a corrida presidencial  

    Jair Bolsonaro (PSL) obteve 46% dos votos válidos no primeiro turno das eleições presidenciais

  • Esperando a voz das urnas  

    O primeiro turno das eleições acontece neste domingo.

  • Decisão do Copom de outubro está indefinida  

    Diante de um balanço de riscos assimétrico, pendendo para uma inflação mais alta, o Copom sinaliza que está pronto para agir

  • Taxa Selic estável, por ora  

    O Copom tomou a decisão amplamente esperada de manter a taxa Selic inalterada em 6,5% a.a

  • Vendas no varejo recuam em julho  

    Os resultados mais fracos nas vendas no varejo vieram em linha com outros indicadores de atividade já divulgados para julho e agosto.

  • Cenário mais volátil para a economia brasileira  

    As incertezas internacionais e domésticas pressionaram o real no último mês, depois de alguma trégua em julho

  • PIB cresce 0,2% no segundo trimestre  

    Olhando à frente, projetamos crescimento do PIB de 1,3% em 2018 e de 2,0% em 2019

  • Caged aponta criação de 47 mil vagas em julho  

    Apesar da alta no mês, a média móvel de 3 meses recuou para 4 mil ante 6 mil, mantendo a tendência de deterioração recente.

  • Desequilíbrio externo na Turquia no centro das atenções  

    A forte depreciação da moeda da Turquia tem provocado elevação das incertezas nos mercados globais, com reflexo nas moedas de países emergentes

  • Atividade econômica segue enfraquecendo  

    Produção normaliza em junho, mas crescimento subjacente perde força

  • Copom mantém taxa Selic em 6,50% a.a.  

    O Copom tomou a decisão amplamente esperada de manter a taxa básica inalterada em 6,50% p.a., sem viés, em uma decisão unânime

  • EUA e UE fazem acordo para evitar escalada de disputas comerciais  

    Os dois lados trabalharão para zerar tarifas comerciais, reduzir barreiras não tarifárias e subsídios

  • IPCA-15 sobe 0,64% em julho, abaixo das expectativas  

    A nossa projeção preliminar para o IPCA do mês fechado aponta variação de 0,28%, com a taxa em 12 meses mantendo-se estável em 4,4%.

  • Dados de atividade normalizam em junho  

    Após recuo na maior parte dos indicadores de maio, dados divulgados para o mês de junho começam a mostrar um quadro de reversão.

  • Incertezas dificultam a recuperação da economia brasileira  

    A contínua deterioração das condições financeiras nos levou a diminuir as projeções de crescimento do PIB para 1,3% em 2018 e 2,0% em 2019

  • Cenário eleitoral segue indefinido  

    A pesquisa Ibope de junho aumentou a incerteza em relação à eleição presidencial de outubro.

  • Copom mantém taxa Selic em 6,50%  

    As projeções de inflação do Copom para 2019 estão em linha com a sinalização de juros estáveis à frente

  • Atividade sobe em abril, mas deve recuar em maio  

    Resultados influenciados pelo maior número de dias úteis em abril

  • Cenário crescentemente desafiador no Brasil  

    As tensões nos mercados financeiros tem levado os bancos centrais a reagir

  • PIB cresce 0,4% no primeiro trimestre  

    O PIB apresentou crescimento dessazonalizado de 0,4% no 1T18, ligeiramente acima da nossa projeção

  • Greve dos caminhoneiros foi o destaque da semana  

    O governo reduzirá a zero o CIDE sobre combustíveis até o final do ano, gerando uma queda de R$ 1,5 bilhões na arrecadação

  • Copom mantém taxa Selic em 6,50%  

    Copom decide manter taxa Selic inalterada em 6,50%

  • Cenário mais complexo no Brasil  

    Reduzimos as projeções de crescimento do PIB de 3,0% para 2,0% em 2018 e de 3,7% para 2,8% em 2019.

  • Produção industrial recua 0,1% em março  

    O resultado fraco foi disseminado, com recuo de 14 de 24 atividades.

  • Taxa de desemprego atinge 13,1% em março  

    Usando nosso ajuste sazonal, o desemprego ficou estável em 12,5%.

  • Inflação segue em patamar baixo em abril  

    A nossa projeção preliminar para o IPCA de abril aponta variação de 0,30%

  • IPCA sobe 0,09% em março  

    A nossa projeção preliminar para o IPCA de abril aponta alta de 0,35%.

  • Produção industrial cresce menos que o esperado em fevereiro  

    A produção industrial subiu 0,2% em fevereiro, após ajuste sazonal, resultado abaixo das expectativas

  • Vendas no varejo crescem em janeiro  

    : As vendas no varejo apresentaram alta de 0,9% no conceito restrito e recuo de 0,1% no ampliado.

  • Inflação segue em níveis baixos em fevereiro  

    O IPCA apresentou variação de 0,32% em fevereiro, em linha com as expectativas.

  • PIB brasileiro cresce 1,0% em 2017  

    Este é o melhor ritmo do PIB anual desde 2013

  • Atividade economica acelerando e inflação baixa  

    Atividade econômica segue se recuperando no Brasil.

  • Copom perto do fim do ciclo  

    Mantemos a visão de que 6,75% ao ano será o nível final da taxa Selic neste ciclo.

  • Copom reduz taxa Selic em 0,25 p.p. para 6,75%  

    Estamos revisando nossa projeção da taxa Selic ao fim do ciclo de 6,50% para 6,75%, nível em que esperamos que continue ao longo do ano.

  • Produção industrial cresce 2,5% em 2017  

    Indústria fecha 2017 com o maior ritmo de crescimento anual da produção desde 2010.

  • Inflação segue em níveis confortáveis em Janeiro  

    Com base nos dados do IPCA-15 e de outras informações correntes, a nossa projeção preliminar para o IPCA de janeiro aponta alta de 0,37%.

  • PIB da China cresce 6,9% em 2017  

    Houve forte impulso para o crescimento anual vindo do setor externo.

  • Inflação encerra 2017 em 2,95%  

    De acordo com o IBGE, este foi o menor resultado anual para a inflação desde 1998.

  • Produção industrial sobe 0,2% em novembro  

    Os indicadores ligados à formação bruta de capital fixo seguem consistentes com crescimento

  • Desemprego segue recuando em novembro  

    Após ajuste sazonal, a taxa recuou para 12,5%, ainda influenciada pela alta do emprego no setor informal.

  • IPCA-15 fecha o ano com alta de 2,94%  

    O IPCA-15 registrou variação de 0,35% em dezembro, em linha com as expectativas.

  • Votação da Previdência adiada para 2018  

    Governo prevê a votação da proposta da reforma da Previdência no plenário da Câmara no dia 19 de fevereiro de 2018.

  • Economia melhor em meio a riscos maiores  

    Previdência volta ao debate, mas ainda há incerteza sobre aprovação no congresso

  • PIB do 3T17 mostra forte avanço da demanda doméstica  

    PIB cresceu 0,1% ante o trimestre anterior

  • Inflação segue baixa em novembro  

    O IPCA-15 registrou variação de 0,32% em novembro, abaixo das expectativas.

  • Vendas no varejo voltam a subir em setembro  

    Projetamos que as vendas no varejo sigam em alta nos próximos meses.

  • Um pouco mais perto do fim do ciclo  

    A data de término do ciclo de corte permanece em aberto.

  • Produção industrial sobe 0,2% em setembro  

    Resultado abaixo do esperado devido à surpresa na produção farmacêutica.

  • Copom reduz taxa Selic em 0,75p.p. para 7,50%  

    O comunicado da reunião sugere que o plano continua sendo de diminuir o ritmo de flexibilização de forma moderada

  • Inflação segue baixa em outubro  

    A taxa em 12 meses de inflação deve continuar a subir nos próximos meses, mas ainda em patamares confortáveis

  • Vendas no varejo recuam em agosto  

    Resultado abaixo das expectativas em agosto.

  • Inflação em queda abre espaço para juros marginalmente mais baixos  

    Reduzimos nossa projeção para a taxa Selic de 7,0% para 6,5% no início de 2018.

  • Desemprego continua a recuar em agosto  

    Usando nosso ajuste sazonal, o desemprego recuou de 12,7% para 12,6% em agosto, o quinto mês consecutivo de queda.

  • Taxa de juros baixa por um bom tempo  

    Dadas as projeções e a orientação do Copom, mantemos nossa visão de que o Copom cortará a taxa Selic em 0,75 p.p. em outubro.

  • Atividade econômica em recuperação  

    A atividade econômica segue retomando de forma gradual, com avanços na indústria, varejo e no mercado de trabalho.

  • Copom reduz taxa Selic em 1,0 p.p. para 8,25%  

    O comunicado indica redução moderada do ritmo de cortes à frente.

  • PIB cresce 0,2% no 2º trimestre  

    O resultado segue em linha com o cenário de recuperação gradual da atividade econômica.

  • Câmara aprova texto-base da TLP  

    A nova taxa deverá ser apurada mensalmente, e composta pela variação do IPCA e por uma taxa de juros prefixada.

  • Governo revisa metas fiscais para 2017 e 2018  

    O anúncio também veio acompanhado de medidas para cortes de gastos e elevação de receitas.

  • Desafios fiscais maiores  

    Aumento de impostos não é suficiente para cumprimento das metas de primário.

  • Ata do Copom: Velocidade de cruzeiro, por ora  

    Esperamos que o Copom repita a redução de 1,00 p.p. na reunião de Setembro.

  • Copom reduz taxa Selic em 1,0 p.p. para 9,25%  

    Por ora, projetamos que a taxa Selic alcance 7,5% ao final do ano.

  • Cenário desinflacionário prevalece  

    Os dados recentes mostram um ambiente de inflação baixa e expectativas ancoradas.

  • Reforma trabalhista é aprovada no Senado  

    A reforma altera a legislação trabalhista em mais de cem pontos, visando tornar o mercado de trabalho mais flexível.

  • Inflação em queda abre espaço para redução dos juros  

    A desaceleração da inflação segue disseminada entre seus componentes

  • Conselho Monetário reduz meta de inflação  

    A decisão é um passo importante para o início do processo de convergência da meta de inflação para padrões internacionais.

  • BC segue dependente dos dados  

    O tom do documento enfatiza a função de reação do BC e sua sensibilidade aos indicadores que serão divulgados

  • Reformas incertas, cenário mais desafiador  

    O cenário político mais conturbado deve postergar a tramitação das reformas.

  • Inflação de maio abaixo do esperado  

    A inflação do IPCA registrou variação de 0,31% em maio, bem abaixo das expectativas.

  • Copom: sem surpresas por ora, ritmo lento adiante  

    O comitê sinalizou que o próximo corte provavelmente será de 0,75 p.p., o que levaria a Selic para um dígito pela primeira vez desde 2013.

  • Copom: corte de 1 p.p. em meio a incertezas  

    A decisão do comitê está sujeita a novos acontecimentos no âmbito político.

  • Volatilidade nos mercados  

    Incertezas políticas e aversão ao risco pressionam mercados.

  • À espera da reforma da Previdência  

    Esperamos aprovação da reforma da Previdência no Congresso até o 3T17.

  • Reforma da Previdência avança na Câmara  

    O texto-base da reforma da Previdência foi aprovado na Comissão Especial da Câmara do Deputados por 23 votos a favor e 14 contra.

  • Reforma trabalhista avança  

    A reforma altera a legislação trabalhista, visando tornar o mercado de trabalho mais flexível.

  • Eleições francesas em foco  

    As últimas pesquisas de intenção de votos mostram que a eleição francesa segue disputada.

  • Inflação segue em queda, Banco Central acelera o passo  

    Com inflação em queda, corrente e esperada, o BC acelerou o ritmo de corte dos juros para 1.00 p.p.

  • Produção industrial estável  

    A produção industrial subiu 0,1% em fevereiro, ficando praticamente estável após forte alta em dezembro.

  • Cortes de juros maiores à frente  

    O BC sinalizou aumento "moderado" no ritmo de flexibilização, que consideramos como um aumento de 0,75 p.p. para 1 p.p.

  • Nova queda na inflação  

    De acordo com o IBGE, esse foi o menor resultado para um mês de março desde 2009.

  • Criação de emprego em fevereiro  

    Destaque para a aceleração no volume de admissão, que já apresenta a quinta alta consecutiva, após ajuste sazonal.

  • Projetamos taxa Selic em 8,25% em 2017  

    Banco Central sinalizou a possibilidade de mais cortes de juros e antecipação do ciclo de flexibilização.

  • Alta de juros à frente nos EUA  

    Em comunicações recentes, os membros FOMC sinalizaram uma provável alta da taxa de juros em março.

  • BC realiza mais um corte nos juros  

    O Copom reduziu a taxa Selic por 0,75 p.p. novamente, levando a taxa para 12,25% a.a.

  • Câmbio volta para 3,10 reais por dólar  

    O real continuou a ter pressão de apreciação contra o dólar nesta semana, influenciado pelo ambiente externo mais favorável.

  • Rumo ao novo equilíbrio  

    A redução da meta de 2019 para 4% reforça desinflação e possibilita juros mais baixos.

  • Produção industrial volta a crescer  

    Houve alta em 3 das 4 grandes categorias econômicas.

  • Confiança em alta no Brasil  

    Os indicadores de confiança mostraram uma melhora generalizada em janeiro.

  • Crescimento menor e juros mais baixos em 2017  

    Projetamos crescimento do PIB de 1% e taxa Selic em 9,75% em 2017.

  • Banco Central acelera corte de juros  

    O Copom decidiu, por unanimidade, realizar outro corte de juros, desta vez de 0,75 p.p., levando a taxa Selic para 13,00%.

  • Desemprego segue em alta  

    A taxa de desemprego nacional atingiu 11,9% em novembro, 2,9 p.p. acima do resultado registrado no mesmo período do ano passado.

  • Projetamos IPCA dentro do intervalo da meta em 2016  

    Reduzimos nossa projeção para o IPCA para 6,3% em 2016, dentro do intervalo de tolerância da meta de inflação que é definida pelo CMN.

  • Reformas fiscais avançam  

    Senado aprova teto de gastos e reforma da Previdência avança na CCJ.

  • Semana em Revista, Dez 2016 | Itaú BBA  

    No Brasil, projetamos crescimento menor em 2016 e em 2017.

  • Teto de gastos, PIB e Copom  

    O Senado aprovou em primeiro turno a proposta do teto de gastos.

  • Inflação em queda  

    Esperamos que a inflação continue a desacelerar à frente, tendência que deverá continuar ao longo de 2017.

  • O que vem depois do choque Trump  

    O resultado da eleição nos EUA provocará mudanças políticas. O risco de protecionismo é negativo para o crescimento global.

  • Trump eleito Presidente dos EUA  

    A vitória de Donald Trump nas eleições presidenciais gera incertezas no cenário externo.

  • Eleições americanas em foco  

    As últimas pesquisas de intenção de votos mostram que a eleição americana segue disputada.

  • Teto dos gastos é aprovado na Câmara  

    A aprovação de reformas fiscais é fundamental para o reequilíbrio das contas públicas e o retorno ao crescimento econômico.

  • BC inicia ciclo de corte de juros  

    O Comitê decidiu, por unanimidade, reduzir os juros em 0,25 ponto percentual, levando a taxa Selic para 14,0%.

  • Teto de gastos avança na Câmara  

    O teto de gastos é uma reforma chave para o reequilíbrio das contas públicas e o retorno ao crescimento econômico.

  • Comissão aprova teto de gastos  

    A proposta segue agora para votação na Câmara, que deve ocorrer na semana que vem.

  • BC prepara terreno para redução de juros  

    Mantemos nosso cenário de corte total de 0,75 p.p. na taxa Selic neste ano, começando com uma redução de 0,25 p.p. em outubro.

  • Inflação dá sinais mais claros de queda  

    A desaceleração da inflação no mês foi explicada pelos preços de alimentos, revertendo um pouco a alta dos últimos meses

  • Real volta a se depreciar  

    As moedas de LatAm estão sendo negociados em linha com nossas estimativas, exceto o MXN, que ainda esta subvalorizado

  • Retomada à vista, mas sustentabilidade depende das reformas  

    Revisamos nossa projeção de crescimento do PIB para 2,0% em 2017. Mas, retomada depende da aprovação das reformas fiscais.

  • Michel Temer assume a Presidência  

    Senado conclui processo de impeachment contra a presidente afastada Dilma Rousseff, Temer assume a presidência até 2018.

  • Alta de juros ainda em 2016 nos EUA  

    Fed deve realizar apenas uma alta em 2016, o que não irá alterar o cenário positivo que vemos para mercados emergentes.

  • Fed deve voltar a subir juros em 2016  

    Esperamos que o banco central americano eleve os juros em 0,25 p.p. em dezembro.

  • Sinais mais claros de recuperação  

    No Brasil, há sinais de recuperação, mas a retomada depende do ajuste fiscal.

  • Indústria mostra sinais de recuperação  

    Produção industrial tem a quarta alta consecutiva em junho, o que reforça que o setor está se recuperando.

  • Ata do Copom reforça Selic estável à frente  

    Mantemos nossa projeção de que a taxa Selic irá alcançar 13,50% no fim de 2016.

  • Copom: Novo formato, mesma mensagem  

    Esperamos que o Copom reduza a taxa Selic duas vezes este ano, para 13,50% a.a.

  • Rodrigo Maia é eleito presidente da Câmara  

    Maia irá suceder ao deputado afastado Eduardo Cunha (PMDB-RJ), que renunciou à posição na semana passada

  • Governo define meta fiscal para 2017  

    Mantivemos nossa projeção de resultado primário em -2,4% do PIB para 2016, mas reduzimos a de 2017 para -2,2% do PIB

  • Real volta a apreciar  

    O real teve pressão de apreciação contra o dólar nesta semana, influenciado pela sinalização de política monetária no exterior

  • Reino Unido vota para sair da União Europeia  

    A decisão deve impactar o crescimento global diante da maior incerteza política na região.

  • Incerteza com relação à saída do Reino Unido da UE gera volatilidade nos mercados  

    As últimas pesquisas de opinião mostram uma vantagem para a saída do país da EU.

  • Ambiente global ainda favorável  

    O cenário global voltou a dar sinais favoráveis aos mercados emergentes.

  • Sinais melhores na atividade  

    PIB no primeiro trimestre e produção industrial de abril vieram melhores do que o esperado

  • Governo anuncia medidas fiscais  

    Governo propõe limite ao crescimento do gasto público, medida que precisará do apoio do congresso.

  • Meirelles apresenta nova equipe  

    Reformas fiscais para reverter o aumento do déficit público é a prioridade.

  • Michel Temer assume a Presidência  

    Temer anuncia reforma ministerial e Henrique Meirelles assume a Fazenda.

  • Novo esforço de ajustes e reformas  

    Novo esforço de ajustes pode levar a crescimento do PIB moderado em 2017.

  • Juros estáveis, por enquanto  

    Acreditamos que a evolução do cenário permitira o Copom a iniciar um ciclo de corte de juros no segundo semestre.

  • Impeachment vai ao Senado  

    Com aprovação da Câmara, o processo de impeachment segue agora para o Senado.

  • Comissão aprova parecer do impeachment  

    Após aprovação do parecer na Comissão Especial, o processo de impeachment segue agora para votação no plenário neste domingo.

  • Inflação continua a dar sinais de queda  

    A inflação acumulada em 12 meses recuou de 10,36% para 9,39%.

  • No compasso de espera doméstico, cenário externo favorável  

    No Brasil, reduzimos nossa projeção de inflação para 6,9% e de taxa de câmbio para 4 reais por dólar em 2016.

  • Inflação começa a dar sinais de queda  

    A inflação já começou a dar sinais de queda, principalmente a de serviços, refletindo a contração da demanda doméstica.

  • Lula indicado para compor o Ministério  

    O ex-presidente Lula aceitou o convite para assumir a Casa Civil, no lugar do Jaques Wagner.

  • Recessão se aprofunda, reformas urgem  

    No Brasil, o cenário é binário e depende da capacidade de aprovação de reformas

  • PIB caiu 3,8% em 2015  

    Projetamos uma queda de 4,0% do PIB em 2016%.

  • Alívio nos mercados financeiros  

    Nessa semana, a sinalização dos formuladores de política na China trouxe um alívio para os mercados financeiros

  • S&P rebaixa mais uma vez a nota do Brasil  

    A nota indica que o país está dois níveis abaixo da classificação de grau de investimento.

  • Mercados financeiros seguem voláteis  

    Os mercados continuaram nervosos, devido às incertezas com relação ao crescimento global e ao sistema financeiro europeu.

  • Projetamos queda de 4% do PIB e juros menores em 2016  

    No Brasil, projetamos crescimento menor e taxa Selic em 12,75% no fim de 2016.

  • Bancos centrais sinalizam flexibilização monetária  

    As ações do Fed e do BoJ são em resposta à maior incerteza global e à queda do preço do petróleo.

  • Afinal, Selic estável  

    O Comitê de Política Monetária do Banco Central do Brasil manteve a taxa Selic em 14,25% a.a.

  • BC mantém sinalização de alta de juros, mas ciclo deve ser curto  

    Projetamos agora um ciclo de 1,0 p.p., com duas altas de 0,5 p.p., a partir da próxima reunião do Copom na semana que vem.

  • Incerteza na China aumenta volatilidade nos mercados  

    Risco de desaceleração e mudança no câmbio na China derruba bolsas no mundo

  • Contas públicas seguem deficitárias  

    O resultado primário do setor público consolidado alcançou R$ -19,6 bilhões, reduzindo o acumulado em 12 meses de -0,7% para -0,9% do PIB.

  • Nelson Barbosa assume Ministério da Fazenda  

    Presidente Dilma anuncia mudanças em sua equipe econômica

  • Banco central americano sobe juros  

    Na nossa visão, o Fed irá continuar o ritmo de alta em março do ano que vem, diante da recuperação da economia.

  • Incerteza política e recessão em 2016  

    Reduzimos nossa projeção de crescimento do PIB para -2,8% em 2016

  • PIB recua 1,7% no terceiro trimestre  

    Revisamos nossa projeção para uma queda de 3,7% em 2015.

  • Copom: navegando as incertezas atuais  

    Mantemos nosso cenário de Selic estável em 14,25% até o fim de 2016.

  • Desemprego segue em alta  

    Acreditamos que a fraqueza da atividade econômica deve continuar elevando a taxa de desemprego nos próximos meses.


      < Voltar