Itaú BBA - Orange Book
  • Otimismo, com cautela  

    A maioria dos setores está mais otimista com relação ao futuro, mas ainda avalia os próximos passos com cautela

  • Aumento das incertezas domésticas limita o ritmo de recuperação  

    Em um trimestre marcado por eventos pontuais, existe a percepção que a recuperação perdeu ritmo de maio em diante.

  • Recuperação continua, mas com volatilidade e preocupações quanto ao médio prazo  

    Relatos de empresas indicam a continuação da recuperação, mas o balanço de riscos está inclinado para desapontamento.

  • Recuperação em curso, pressões inflacionárias contidas  

    A maioria dos setores tem planos de aumento de CAPEX, mas os investimentos têm sido mais concentrados em compras de máquinas e equipamentos.

  • Recuperação mais disseminada  

    Diversos setores relatam melhoras substanciais nas vendas nos últimos 6 meses.

  • Incerteza política afeta decisões de investimento  

    Na maioria dos segmentos, as empresas estão focando os esforços em reduzir os níveis de endividamento.

  • Sinais mais consistentes de retomada  

    A maioria dos segmentos ligados à indústria indica retomada na produção.

  • Ajuste continua, pressões inflacionárias diminuem  

    Segmentos ligados ao consumo indicam que as vendas continuaram em queda. Os custos de produção vêm deixando de preocupar.

  • Na mesma toada  

    Em nossa visão, os dados de atividade fracos e os fundamentos sugerem que o quadro continuará difícil à frente.

  • Recessão se espalha, câmbio pressiona custos  

    A economia continua enfraquecendo, tendência que vem se espalhando para mais setores e regiões do Brasil.

  • Sem sinais de estabilização  

    A tendência de enfraquecimento da economia parece ter se intensificado no fim do primeiro semestre.

  • Desaceleração se aprofunda  

    A tendência de enfraquecimento da demanda parece ter se acentuado no segundo bimestre do ano.

  • Cenário de ajustes reforça a desaceleração  

    A tendência de enfraquecimento do consumo observada no segundo semestre de 2014 parece ter se acentuado neste início de ano.

  • Atividade fraca, emprego em desaceleração  

    A recuperação do consumo vem se mostrando de curta duração na maioria dos setores.

  • Atividade fraca com poucos sinais de retomada  

    O enfraquecimento do consumo observado no fim do primeiro semestre se acentuou entre junho e agosto.

  • Consumo fraco, produção em queda  

    O enfraquecimento do consumo está se tornando mais espalhado e mais intenso.

  • Atividade moderada, foco em ganhos de eficiência  

    Entre os setores ligados ao consumo, permanece a tendência divergente entre bens de consumo duráveis

  • Incertezas externas e domésticas afetam a economia em 2014  

    O consumo de bens e serviços vem desacelerando à medida que a demanda se mostra cada vez mais seletiva.

  • Consumo mais fraco, investimento um pouco melhor  

    A confiança do empresário se mantém contida.

  • Desaceleração se espalha, sem parada brusca. Custos seguem em alta.  

    Os segmentos ligados ao consumo mantiveram a desaceleração observada desde maio.

  • Desaceleração do consumo, investimento melhor  

    Depois de um início de ano classificado como forte, muitos segmentos de bens de consumo e serviços observaram uma desaceleração em abril e maio.

  • Retomada se consolida, gargalos ficam mais evidentes  

    Este relatório resume relatos sobre o ambiente de negócios

  • Consumo segue positivo, aversão ao risco retarda investimento  

    A recuperação da economia brasileira é moderada e heterogênea. O consumo continua se expandindo, o desafio é gerar um ambiente mais favorável ao investimento.

  • Retomada avança de forma heterogênea  

    Relatos sobre o ambiente de negócios que ouvimos de contatos no setor real.

  • Sinais promissores em meio à cautela  

    Um número maior de setores voltados ao consumo passou a reportar recuperação de produção e vendas.

  • Retomada lenta e incerteza  

    Alguns sinais de retomada aparecem e há expectativa de que as medidas governamentais impulsionarão a economia à frente. Mas o ceticismo parece aumentar.

  • Demanda reacelerando, estoques ainda elevados  

    Depois de um início de ano relativamente fraco para a maioria dos setores, começam a aparecer sinais mais claros de retomada na produção e nas vendas.

  • A retomada de 2012  

    A economia brasileira começou 2012 sentindo os efeitos da desaceleração do ano anterior. A incerteza externa também pesa.


      < Voltar