Itaú BBA - Índice Itaú de Atividade dos Estados

Macro Visão

< Voltar

Índice Itaú de Atividade dos Estados

Março 9, 2018

Lançamos um índice de atividade econômica para cada estado, que mostra uma recuperação heterogênea em 2017.

Para o relatório completo com gráficos e anexos, favor acessar o pdf em anexo.
 

Neste relatório, lançamos um índice de atividade econômica para cada estado. As séries estão disponíveis na frequência mensal, até dez/17.

Com esses índices, é possível analisar o nível da atividade econômica decomposta por estado para além de 2015 (ano mais recente para o qual os dados oficiais por estado já estão disponíveis) e numa frequência maior que o indicador oficial do IBGE.

A recuperação da atividade em 2017 foi mais pronunciada no Mato Grosso, Amazonas, Pará, Roraima e Pernambuco. Cinco estados ainda não dão sinais de recuperação: Alagoas, Paraíba, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro e Espírito Santo.

Oito estados já mostram ritmo de atividade acima do observado antes da recessão: Roraima, Mato Grosso, Acre, Tocantins, Pará, Paraná, Piauí e Amazonas.

Motivação: acompanhamento da atividade nos estados a partir de 2015

O IBGE divulga a abertura do Valor Agregado Bruto por estado, a qual é praticamente idêntica ao PIB. No entanto, os dados estão disponíveis com certa defasagem - em meio ao 1T18, só estão disponíveis os dados até 2015. Além disso, só estão disponíveis na frequência anual, enquanto o PIB agregado já está disponível até o 4T17, e já há dados mensais de atividade econômica relativos ao mês de jan/18. 

Com diversos dados mensais referentes a cada estado e disponíveis até um período próximo, é possível obter estimativas (proxies) para o crescimento do PIB de cada um deles com base na relação histórica entre esses dados mensais e o PIB oficial.

Essas proxies podem ajudar a responder diversas perguntas, tais como:

- Como a recuperação gradual em andamento se distribui entre os diferentes estados?

- Quais estados já estão com nível de atividade econômica acima do pico antes da recessão?

Criação das séries

Pela ótica da oferta, o PIB pode ser entendido como a soma da produção final dos três setores da economia: agropecuária, indústria e serviços. Com base nessa definição, as proxies de PIB estadual são criadas a partir de dados mensais referentes à atividade econômica de cada estado. As séries usadas são:

- Proxy da produção agrícola: índice calculado internamente, com base nos dados de produção agrícola estaduais das seguintes pesquisas do IBGE: Censo agropecuário (2006), Pesquisa Agrícola Municipal (PAM) e Levantamento Sistemático da Produção Agrícola (LSPA).

- Pesquisa Industrial Mensal: Produção Física do IBGE (PIM-PF): fornece dados mensais referentes à produção industrial de cada estado. Vale notar que estão disponíveis dados para apenas 14 estados, sendo, portanto um fator limitante na elaboração do PIB Estadual de algumas unidades da federação.

- Pesquisa Mensal do Comércio do IBGE (PMC): indicador que reflete as vendas do varejo de cada estado. Apesar de ser um indicador de vendas (e não produção), a série capta informações importantes para o setor de serviços ligado ao comércio. 

- Criação líquida de empregos formais do Cadastro Geral de Empregados e Desempregados (CAGED – Ministério do Trabalho e Emprego): geração de postos de trabalho formais, incorporando informações relevantes do nível de atividade econômica (de cada estado) não abrangidas pelas pesquisas anteriormente citadas (como demais atividades do setor de serviços).

Vale notar que ponderamos utilizar os dados da Pesquisa Mensal de Serviços, do IBGE, para capturar os efeitos de variações de setores cobertos pela pesquisa na atividade econômica de cada estado. Porém, como a série é curta (iniciada em 2012), sua adoção limitaria nosso estudo ao período 2012-2017. Deste modo, optamos por não utilizá-la.

A partir destes dados, da série oficial de Valor Agregado Bruto de cada estado (disponível até 2015) e de modelos econométricos, criamos séries preliminares mensais do nível da atividade econômica de cada estado. Por fim, aplicamos um fator de ajuste nestas séries para que, agregadas em base móvel pelo peso de cada estado no PIB do ano anterior, sejam compatíveis com nosso PIB Mensal Itaú Unibanco (ver relatório Revisão na série do PIB mensal Itaú Unibanco). As séries resultantes pós-ajuste são os índices de atividade econômica para cada estado (para mais detalhes, ler nota técnica).

Resultados sugerem recuperação heterogênea

A tabela a seguir mostra as estimativas do desempenho acumulado de cada estado (e região) entre (i) 4T16 e 4T17, e (ii) 4T17 e 2T14. Esses intervalos permitem avaliar a recuperação de 2017 e o desempenho acumulado desde 2T14, respectivamente.

Destaques: 

A recuperação da atividade em 2017 foi mais pronunciada no Mato Grosso, Amazonas, Pará, Roraima e Pernambuco. Cinco estados ainda não dão sinais de recuperação: Alagoas, Paraíba, Mato Grosso do Sul, Rio de Janeiro, e Espírito Santo (os dois últimos, negativamente afetados por desenvolvimentos no setor de Petróleo e Gás).

Oito estados já mostram ritmo de atividade acima do observado antes da recessão: Roraima, Mato Grosso, Acre, Tocantins, Pará, Paraná, Piauí e Amazonas.


 

Artur Manoel Passos
Alexandre Gomes Cunha



< Voltar