Itaú BBA - Índice de Ambiente de Mercado - Variáveis financeiras seguem em patamares expansionistas

Macro Visão

< Voltar

Índice de Ambiente de Mercado - Variáveis financeiras seguem em patamares expansionistas

Setembro 29, 2017

O Índice de Ambiente de Mercado Itaú Unibanco (IAM-IU) caiu de 0,86 para 0,72.

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf anexo.

O Índice de Ambiente de Mercado LatAm mede o ambiente de mercado de países da América Latina de forma geral (Brasil, México, Colômbia, Chile, Peru). Para construir o índice, replicamos a metodologia (veja ao fim do relatório) usada para Brasil para os demais países, e ponderamos os índices com base no tamanho da economia de cada país, medido pelo PIB. 

As condições financeiras da região como um todo apresentaram recuo na margem, atingindo 0,55 (vindo de 0,69 no mês de agosto), mas continuam no terreno expansionista. Com isso, a média móvel de três meses atingiu 0,47 (ante 0,17 no mês anterior). Contribuíram para a desaceleração no mês o Brasil (com queda nos fatores financeiros e commodities), México (queda na bolsa e depreciação do câmbio) e Peru (depreciação cambial e recuo nas cotações de ouro e cobre). Do lado positivo/neutro, destaque para a alta na Colômbia (com a melhora nos preços do petróleo) e estabilidade do indicador no Chile. 

O ambiente de mercado para Brasil desacelerou no fim de setembro, em relação ao fim de agosto. O Índice de Ambiente de Mercado Itaú Unibanco (IAM-IU)[1] caiu de 0,86 para 0,72. O movimento foi explicado por quedas tanto nas variáveis financeiras como nas commodities. Apesar disso, a média móvel de três meses avançou de -0,04 para 0,50, em patamares expansionistas para condições financeiras. 

Olhando para a decomposição do IAM-IU, o subcomponente de variáveis financeiras do Brasil apresentou recuo na margem, atingindo 1,26 (ante 1,50 no mês anterior). O movimento é reflexo dos movimentos no mercado de juros e CDS, assim como o câmbio mais depreciado, em um contexto de dólar mais forte globalmente, seguindo a maior disposição do FOMC em realizar mais uma alta de juros (de 0,25p.p.) na economia americana ainda esse ano. Do lado oposto, a bolsa de valores continua a contribuir positivamente para as condições financeiras no Brasil. Mesmo com o ajuste na margem, a média móvel de três meses continuou o movimento de expansão, subindo de 0,54 para 1,10.

Para analisarmos a origem do comportamento do mercado brasileiro, regredimos o subcomponente de variáveis financeiras do Brasil em um índice de ambiente de mercado construído a partir de dados de seus países pares[2] (ver regressão na Tabela 1 no Apêndice). O gráfico abaixo mostra que os fatores idiossincráticos relacionados a Brasil continuam a contribuir positivamente para o desempenho das condições financeiras domésticas. Por outro lado, podemos notar que ambos os fatores, idiossincrático e aqueles relacionados aos países pares desaceleraram na margem. 

Já o subcomponente de preços de commodities encerra setembro em 0,34, um leve recuo em relação ao mês anterior (0,41). Com isso, a média móvel subiu de -0,33 em agosto para 0,13 em setembro, agora em terreno expansionista.

 

Nossos índices de ambiente de mercado estão disponíveis na Bloomberg:

Índice de ambiente de mercado Itaú Unibanco: IUMCBR Index.
Subcomponente - Variáveis financeiras do Brasil: IUMCBRFV Index.
Subcomponente - Commodities: IUMCCMDT Index.


 


[1] O IAM-IU mede o ambiente de mercado do Brasil e também é um bom indicador antecedente do crescimento econômico do País, de acordo com exercícios econométricos. O índice é formado por dois subcomponentes: o primeiro é composto por variáveis financeiras brasileiras – taxas de juros, taxa de câmbio, medidas de risco-país -, e o segundo é composto por preços de commodities. Um resultado acima de zero significa que as condições de mercado estão expansionistas, e abaixo de zero, contracionistas.

[2] Consideramos as taxas de câmbio e os índices de bolsa de valores para 12 países pares (Austrália, Chile, Canadá, México, África do Sul, Turquia, Índia, Rússia, Peru, Indonésia, Malásia e Tailândia).


 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf anexo.



< Voltar