Itaú BBA - Índice de Ambiente de Mercado - Melhora intensa do ambiente de mercado em março

Macro Visão

< Voltar

Índice de Ambiente de Mercado - Melhora intensa do ambiente de mercado em março

Março 31, 2016

O IAM-IU é compatível com o IAM-IU é compatível com o nosso cenário de queda de 4,0% do PIB em 2016.

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf anexo.

O ambiente de mercado no Brasil teve uma forte melhora em março. O Índice de Ambiente de Mercado Itaú Unibanco[1] (IAM-IU) voltou para o terreno positivo pela primeira vez desde setembro de 2015. O IAM-IU passou de -0,11 no fim de fevereiro para 1,45 no fim do mês (Gráfico 1). A melhora recente refletiu um pouco na média móvel de três meses, que subiu para -0,88, vindo de -1,38 no final de fevereiro.

O subcomponente de variáveis financeiras do Brasil passou de 0,02 no fim de fevereiro para 2,13 no fim de março na ponta (Gráfico 2). A melhora foi generalizada entre as variáveis que compõem o subcomponente, com destaque para a alta de 20% do índice Ibovespa e para apreciação de 10% da taxa de câmbio no período. A média móvel de três meses também melhorou, passando para -0,79, vindo de -1,32 no fim de março.

Para analisarmos a origem da melhora do mercado brasileiro, regredimos o subcomponente de variáveis financeiras do Brasil em um índice de ambiente de mercado construído a partir de dados de seus países pares[2] (ver regressão na Tabela 1 no Apêndice). O Gráfico 3 mostra que a melhora recente está relacionada tanto a fatores que afetaram o Brasil e os seus pares quanto a fatores idiossincráticos ao país, reforçando a influência do cenário internacional e da probabilidade maior de um cenário de ajustes e reformas no Brasil por trás do movimento.

O outro subcomponente do IAM-IU, de preços de commodities, também registrou uma forte melhora no mês. As variações das commodities agrícolas e energéticas são os principais fatores que explicam a melhora no mês. O subcomponente, na ponta, passou de 0,11 no fim de fevereiro para 0,87 no fim de março. A média móvel de três meses teve um leve recuo para -1,17 vindo de -0,78 no fim de fevereiro (Gráfico 4).

IAM-IU e atividade econômica 

Para verificarmos o impacto das condições financeiras na atividade econômica, consideramos uma regressão de previsão do PIB que incorpora os subcomponentes do IAM-IU (ver Tabela 2 no Apêndice). Caso o indicador se mantenha, na ponta, no patamar atual e as demais variáveis se comportem tal qual o nosso cenário base[3], o IAM-IU é compatível com o IAM-IU é compatível com o nosso cenário de queda de 4,0% do PIB em 2016.



[1] O IAM-IU mede o ambiente de mercado do Brasil e também é um bom indicador antecedente do crescimento econômico do País, de acordo com exercícios econométricos. O índice é formado por dois subcomponentes: o primeiro é composto por variáveis financeiras brasileiras – taxas de juros, taxa de câmbio, medidas de risco-país -, e o segundo é composto por preços de commodities. Um resultado acima de zero significa que as condições de mercado estão expansionistas, e abaixo de zero, contracionistas.

[2] Consideramos as taxas de câmbio e os índices de bolsa de valores para 12 países pares (Austrália, Chile, Canadá, México, África do Sul, Turquia, Índia, Rússia, Peru, Indonésia, Malásia e Tailândia).

[3] Ver: Após o temporal


 


 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf anexo.


 



< Voltar