Itaú BBA - Índice de Ambiente de Mercado - Ambiente de mercado recua em outubro

Macro Visão

< Voltar

Índice de Ambiente de Mercado - Ambiente de mercado recua em outubro

Novembro 1, 2017

O Índice de Ambiente de Mercado Itaú Unibanco caiu de 0,54 para 0,36 em outubro.

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf anexo.

O Índice de Ambiente de Mercado LatAm mede o ambiente de mercado de países da América Latina de forma geral (Brasil, México, Colômbia, Chile, Peru). Para construir o índice, replicamos a metodologia (veja ao fim do relatório) usada para Brasil para os demais países, e ponderamos os índices com base no tamanho da economia de cada país, medido pelo PIB. 

As condições financeiras da região como um todo apresentaram recuo na margem, atingindo -0,04 (vindo de 0,55 no mês de setembro), e agora se encontra em terreno próximo da neutralidade. Apesar disso, a média móvel de três meses atingiu 0,59 (ante 0,50 no mês anterior). Contribuíram para a desaceleração no mês o Brasil (com queda nos fatores financeiros e commodities), México (queda na bolsa e depreciação do câmbio) e Colômbia (queda na bolsa e depreciação do câmbio). Do lado positivo, os destaques ficaram para o Chile (com alta na bolsa de valores, compensando o recuo dos preços de cobre) e Peru (com melhora generalizada entre seus componentes, com exceção das cotações de ouro que recuaram). 

O ambiente de mercado para Brasil desacelerou no fim de outubro, em relação ao fim de setembro. O Índice de Ambiente de Mercado Itaú Unibanco (IAM-IU)[1] caiu de 0,54 para 0,36. O movimento foi explicado principalmente por recuo nas variáveis financeiras (-0,34 pontos), assim como nas commodities (-0,09 pontos). Apesar disso a média móvel de três meses subiu de 0,49 para 0,78.

Olhando para a decomposição do IAM-IU, o subcomponente de variáveis financeiras do Brasil apresentou recuo na margem, atingindo 0,73 (ante 1,06 no mês anterior). O movimento é reflexo da abertura no mercado de juros, e o câmbio mais depreciado, em um contexto de dólar mais forte globalmente, seguindo a maior percepção pelo mercado de aprovação de um projeto de reforma tributária nos EUA, combinada aos números melhores de inflação no país. Mesmo com o ajuste na margem, a média móvel de três meses continuou o movimento de expansão, subindo de 1,15 para 1,50.

Para analisarmos a origem do comportamento do mercado brasileiro, regredimos o subcomponente de variáveis financeiras do Brasil em um índice de ambiente de mercado construído a partir de dados de seus países pares[2] (ver regressão na Tabela 1 no Apêndice). O gráfico abaixo mostra que os fatores idiossincráticos relacionados a Brasil continuam a contribuir positivamente para o desempenho das condições financeiras domésticas. Por outro lado, podemos notar que ambos os fatores, idiossincrático e aqueles relacionados aos países pares desaceleraram na margem. 

Já o subcomponente de preços de commodities encerra outubro em 0,13, um leve recuo em relação ao mês anterior (0,22). Apesar disso, a média móvel subiu de 0,17 em setembro para 0,48 em outubro.


 

Nossos índices de ambiente de mercado estão disponíveis na Bloomberg:

Índice de ambiente de mercado Itaú Unibanco: IUMCBR Index.
Subcomponente - Variáveis financeiras do Brasil: IUMCBRFV Index.
Subcomponente - Commodities: IUMCCMDT Index.


 


[1] O IAM-IU mede o ambiente de mercado do Brasil e também é um bom indicador antecedente do crescimento econômico do País, de acordo com exercícios econométricos. O índice é formado por dois subcomponentes: o primeiro é composto por variáveis financeiras brasileiras – taxas de juros, taxa de câmbio, medidas de risco-país -, e o segundo é composto por preços de commodities. Um resultado acima de zero significa que as condições de mercado estão expansionistas, e abaixo de zero, contracionistas.

[2] Consideramos as taxas de câmbio e os índices de bolsa de valores para 12 países pares (Austrália, Chile, Canadá, México, África do Sul, Turquia, Índia, Rússia, Peru, Indonésia, Malásia e Tailândia).


 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf anexo.



< Voltar