Itaú BBA - Em qual nível o real vai se estabilizar?

Macro Visão

< Voltar

Em qual nível o real vai se estabilizar?

Junho 25, 2018

No longo prazo, o câmbio depende da quantidade de recursos externos disponíveis para financiar o déficit em conta corrente

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf em anexo.

Movimentos cambiais de curto prazo podem ser erráticos e de difícil previsibilidade – as taxas seguem um passeio aleatório. Contudo, no médio e longo prazo a taxa de câmbio tende a ser mais sensível aos fundamentos. Especificamente, a taxa de câmbio, no longo prazo, depende da quantidade de recursos externos disponíveis para financiar o déficit em conta corrente de um país. 

Em média, desde 1947, o Brasil conseguiu financiar déficits em conta corrente em torno de 2% do PIB. Essa média, no entanto, esconde dois regimes distintos: um com ampla disponibilidade de financiamento (e déficits em conta corrente de 3% a 4% do PIB) e outro sem financiamento externo (e superávits em conta corrente em torno de 1% do PIB).

Analisamos as condições macroeconômicas e externas que vigoraram em cada um desses regimes. O principal determinante para a disponibilidade de financiamento externo parece ser a qualidade das políticas macroeconômicas adotadas domesticamente. 

Embora o cenário internacional, por si só, não seja o principal determinante, vale destacar que em momentos de deterioração externa as fragilidades locais tendem a ficar mais evidentes, diminuindo a disponibilidade de financiamento.

Dado um cenário internacional mais adverso, na ausência de reformas, especialmente as fiscais, o Brasil pode migrar para um regime de pouca ou nenhuma disponibilidade de financiamento externo. Nesse caso, o País precisará gerar superávits em conta corrente, o que seria compatível com uma moeda mais depreciada (acima de 4,50 reais por dólar). Alternativamente, em um cenário de aprovação de reformas e melhora dos fundamentos, podemos migrar para um regime de alta disponibilidade de financiamento externo e câmbio mais apreciado (abaixo de 3,50 reais por dólar).


Mário Mesquita
Julia Gottlieb

 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf em anexo.



< Voltar