Itaú BBA - Um cenário global menos conturbado no início de 2020

Macro Latam Mensal

< Voltar

Um cenário global menos conturbado no início de 2020

Janeiro 17, 2020

Riscos menores devem melhorar ligeiramente o crescimento global neste ano.


Para os demais textos, acessar o pdf em anexo.

 

Economia global
Crescimento global melhor e risco eleitoral nos EUA
Elevamos nossa projeção para o crescimento do PIB global em 2020 de 3,1% para 3,2%, vindo de 3,0% em 2019. As eleições presidenciais americanas são o maior risco para este cenário.

Brasil
Inflação benigna mantém espaço para cortes de juros
Acreditamos que as projeções de inflação do Banco Central sejam consistentes com estímulos adicionais, a despeito da pressão temporária de preços observada no final de 2019. 

Argentina
Impostos mais altos e mais controles cambiais
O presidente Alberto Fernández lançou um pacote fiscal que incluiu aumento de impostos de exportação e outras medidas para controlar a taxa de câmbio, como a tributação de compras de dólares.

México
Aumento do salário mínimo impede resposta de política monetária mais assertiva
Fraqueza da atividade, moeda bem-comportada e a inflação em níveis baixos favoreçam reduções graduais da taxa de juros, mas a persistência do núcleo da inflação e os riscos inflacionários associados às políticas domésticas impedem uma resposta de política monetária mais forte.

Chile
Alguns sinais de normalidade
Após os protestos que paralisaram o país em outubro e novembro, a resposta do governo levou a uma redução das manifestações, diminuindo assim interrupções operacionais no início de 2020.

Peru
Relaxando a postura fiscal
O Ministério da Fazenda suavizou a trajetória de consolidação fiscal para os anos 2021, 2022 e 2023.

Colômbia
Riscos moderam na virada do ano
A nova aprovação da reforma tributária, juntamente com os lucros elevados do banco central e pagamento de dividendos significativo da Ecopetrol, indicam que o cumprimento da meta fiscal deste ano é mais provável.

 


Um cenário global menos conturbado no início de 2020

O ano começou com perspectivas melhores para a atividade econômica global, com redução dos principais riscos que afetaram os mercados em 2019. A assinatura da primeira fase do acordo comercial entre EUA e China contribuiu para tornar o cenário menos incerto, ainda que a rivalidade estratégica permaneça. O Reino Unido e a Europa também devem chegar a um acordo quanto ao Brexit até o final deste ano. Assim, a principal fonte de incerteza em 2020 deverá ser a eleição presidencial nos EUA, em meio a propostas de política econômica cada vez mais polarizadas.

Com este cenário externo mais benigno, revisamos nossa projeção de crescimento do PIB global em 2020 para cima (de 3,1% para 3,2%), puxado principalmente pela expectativa de melhora da atividade na China e nos EUA. Esperamos um crescimento de 6,0% na China este ano, ante 5,7% no cenário anterior. Os EUA, por sua vez, devem crescer 2% no ano, sob um cenário de taxa de juros estáveis. Já a Europa seguirá com crescimento tímido, próximo ao potencial, uma vez que os estímulos governamentais devem ser insuficientes para elevar substancialmente a atividade econômica na região.

Na América Latina, os países que enfrentaram conflitos sociais no último ano encontram, agora, um cenário mais calmo. O recuo das tensões no Chile e na Colômbia deu suporte para uma apreciação de ambas as moedas, além da valorização dos ativos da região como um todo. As atenções se voltam, agora, para a atividade econômica. No Chile, os efeitos dos protestos e a incerteza ainda alta afetam os indicadores, mas os estímulos fiscais e monetários devem melhorar o cenário prospectivo. Já o crescimento na Colômbia deve ser próximo ao potencial. No México e Peru, dados não mostram sinais de uma recuperação consistente das economias locais, mas as melhores perspectivas globais devem ajudar ambos os países ao longo do ano. Enquanto isso, na Argentina, a incerteza deve continuar pesando sobre a atividade econômica. 

No Brasil, mantivemos nossa expectativa de aceleração gradual e esperamos crescimento do PIB de 1,2% em 2019, 2,2% em 2020 e 3,0% em 2021. Também permanecemos com nossas projeções de taxa de câmbio inalteradas em 4,15 reais por dólar tanto em 2020 quanto em 2021. Sobre a inflação, menores reajustes nos preços administrados nos levam a projetar 3,3% para o IPCA de 2020, ante 3,5% no cenário anterior. Para 2021, mantivemos nossa expectativa de inflação de 3,5%. Quanto à política monetária, continuamos projetando juros ainda mais baixos à frente, levando a taxa Selic para o nível de 4,0% ao final deste ano.

 


Economia global
Crescimento global melhor e risco eleitoral nos EUA

• Elevamos nossa projeção para o crescimento do PIB global em 2020 de 3,1% para 3,2%, vindo de 3,0% em 2019.

• Os EUA devem crescer 2%, sem alterações na taxa de juros. As eleições presidenciais são o maior risco.

• Com o recuo das tensões comerciais, agora projetamos crescimento de 6,0% na China em 2020 (5,7% anteriormente) e apreciação da taxa de câmbio para 6,80 yuans por dólar.

• O ritmo na Europa continua aquém do observado no resto do mundo.

• Ambiente mais calmo na América Latina.

 

Para os demais textos, acessar o pdf em anexo.



< Voltar