Itaú BBA - Revisão da trajetória e demanda forte no 3T17 melhoram perspectiva do PIB em 2017

Macro Brasil

< Voltar

Revisão da trajetória e demanda forte no 3T17 melhoram perspectiva do PIB em 2017

Dezembro 1, 2017

PIB cresceu 0,1% ante o trimestre anterior

O PIB apresentou crescimento dessazonalizado de 0,1% no 3T17 ante o trimestre anterior, e alta de 1,4% na comparação anual. O resultado ficou próximo das expectativas.

Apesar do resultado agregado próximo das expectativas no 3T17, dois fatores melhoram a perspectiva da atividade. Primeiro, a trajetória do PIB trimestral desde 2015 foi revisada para cima. Segundo, a demanda doméstica foi forte no 3T17, com altas de 1,2% do consumo das famílias e de 1,6% da formação bruta de capital fixo, reforçando a perspectiva de recuperação gradual.

O resultado coloca um viés de alta em nossa projeção de crescimento para 2017 (atualmente em 0,8%).

Trajetória do PIB real desde 2015 revisada para cima

Incorporando as contas anuais de 2015, toda a trajetória do PIB trimestral desde o 1T15 foi revisada. O crescimento real de 2015 foi revisado de -3,8% para -3,5%, e o de 2016 foi revisado de -3,6% para -3,5%.

Olhando para a trajetória da série dessazonalizada, que mudou tanto por ajustes no PIB bruto quanto por mudanças nos fatores sazonais, o crescimento do 1T17 foi elevado de 1,0% para 1,3% e o do 2T17 foi elevado de 0,2% para 0,7%.

Avançando para o 3T17, o crescimento dessazonalizado no 3T17 foi de 0,1%, em linha com nossa projeção e ligeiramente abaixo da mediana das expectativas (0,3%). No entanto, com a revisão da trajetória, o avanço na comparação anual foi de 1,4%, acima da nossa projeção e da mediana das expectativas (1,1% e 1,3%, respectivamente).

   

Demanda doméstica forte no 3T17

Os resultados mostram um forte avanço da demanda doméstica. O consumo das famílias avançou 1,2%, se mantendo firme mesmo após o fim do saque das contas inativas do FGTS. A formação bruta de capital fixo subiu 1,6%, interrompendo a sequencia de 15 trimestres em queda.

Os números fortes de consumo e investimento foram compensados por contribuição negativa de exportações líquidas (estimamos -0,3 p.p) e da variação de estoques (estimamos -0,5 p.p). Cabe notar que a evolução negativa de estoques não reflete um ciclo de produção da indústria, mas sim a contabilização de boa parte da produção agropecuária no primeiro trimestre.

Pela ótica da oferta, o PIB agropecuário recuou 3,0% no trimestre, ainda devolvendo parcialmente a alta do 1T17, ao passo que indústria e serviços avançaram 0,8% e 0,6%, respectivamente.

Perspectivas para a atividade econômica

As revisões da trajetória e o resultado agregado do 3T17 melhoram a perspectiva de crescimento para 2017. Um crescimento dessazonalizado de 0,0% no 4T17 levaria a um crescimento de 1,0% em 2017.

A recuperação na demanda doméstica reforça o sinal dos indicadores mensais de que a recuperação está cada vez mais disseminada, ainda que ocorra em ritmo gradual.

Com isso, o resultado impõe um viés de alta para nosso cenário de crescimento do PIB 2017 (atualmente em 0,8%).

Olhando à frente, os fundamentos econômicos melhores, em especial no que tange à taxa de juros, devem manter a recuperação. No entanto, para que esta recuperação seja robusta, é preciso que a agenda de reformas continue avançando.

 

Artur Manoel Passos

 



< Voltar