Itaú BBA - Déficit primário de R$62 bilhões (-0,9% do PIB) em 2019

Macro Brasil

< Voltar

Déficit primário de R$62 bilhões (-0,9% do PIB) em 2019

Janeiro 31, 2020

Números fiscais em melhora gradual


Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf em anexo.
 

 O setor público consolidado registrou déficit primário de R$ 62 bilhões em 2019 (-0,9% do PIB), frente a um déficit de R$ 108 bilhões (-1,6% do PIB) em 2018 e uma meta estabelecida para o ano de déficit de R$ 132 bilhões (-1,8% do PIB). O governo central registrou déficit de R$ 89 bilhões (-1,2% do PIB), frente a uma meta de R$ -139 bilhões (-1,9% do PIB), enquanto os governos regionais e as estatais obtiveram superávits de R$ 15 bilhões (0,2% do PIB) e R$ 12 bilhões (0,2% do PIB), respectivamente. Em dezembro, o setor público teve déficit primário de R$ 13,5 bilhões (esperado: R$ 23,4 bilhões) e o governo central (pela metodologia do Tesouro Nacional, a partir da diferença entre receitas e despesas) de R$ 14,6 bilhões (esperado: 8,4 bilhões). 

 A dívida bruta do governo geral recuou de 76,5% do PIB em 2018 para 75,8% do PIB em 2019, refletindo principalmente devoluções do BNDES ao Tesouro e a redução das reservas internacionais, que somaram 2,8% do PIB no ano. A dívida líquida do setor público, por sua vez, alcançou 55,7%, frente 53,6% do PIB no ano anterior. O déficit nominal recuou de 7,1% do PIB em 2018 para 5,9%, refletindo menores despesas de juros e o melhor resultado primário. Após a aprovação da reforma da Previdência, é necessário continuar a focar na revisão de gastos obrigatórios, como as despesas de pessoal, de modo a consolidar o cenário de retorno gradual a superávits primários compatíveis com a estabilização estrutural da dívida pública.
 

Pedro Schneider 


Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf em anexo.



< Voltar