Itaú BBA - Ata do Copom: novo corte de 0,75 p.p. à frente, apesar de riscos fiscais

Macro Brasil

< Voltar

Ata do Copom: novo corte de 0,75 p.p. à frente, apesar de riscos fiscais

Maio 12, 2020

Entendemos que o foco na meta de inflação e no recuo das expectativas aponta para outro corte de 0,75 p.p. na próxima reunião.


Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf em anexo.

 

• A ata do Copom mostra o racional para a decisão de cortar 0,75 p.p. na última reunião, e traz informações adicionais sobre como as autoridades estão avaliando a atual crise. O texto indica que o comitê vê a pandemia e seus efeitos econômicos como um choque fortemente desinflacionário no horizonte relevante para a política monetária. Acertadamente, o comitê reconhece o risco de deterioração fiscal, mas indica que, enquanto as expectativas de inflação não forem afetadas, esses riscos não serão suficientes para alterar as decisões de política monetária. Há uma discussão sobre um limite inferior para a taxa Selic, mas entendemos que o foco na meta de inflação e nas prováveis quedas adicionais das expectativas de inflação prevalece, e aponta para outro corte de 0,75 p.p. na próxima reunião do Copom (16 e 17 de junho), o que levaria a taxa básica de juros para o nível final de 2,25% a.a. Evidentemente, conforme observado pelas autoridades, as estimativas agora estão envoltas por uma incerteza acima do usual.


Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf em anexo.



< Voltar