Itaú BBA - Ata do Copom: atentos aos dados, com alguma divergência

Macro Brasil

< Voltar

Ata do Copom: atentos aos dados, com alguma divergência

Dezembro 17, 2019

Enquanto o texto indica menor propensão a cortes de juros, entendemos que as projeções de inflação permitem juros menores à frente.


Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf em anexo.
 

• A ata do Copom, divulgada nesta manhã, indica que as autoridades seguem acompanhando o comportamento dos dados para definir seus próximos passos, mas, ao mesmo tempo, sugere menor propensão a reduzir juros. Primeiro, o comitê afirma que a economia ainda está operando com ociosidade considerável, de acordo com a taxa de desemprego e com medidas “tradicionais” de utilização da capacidade na indústria – sugerindo que medidas não tradicionais podem apontar o contrário. Segundo, as projeções de inflação são majoritariamente benignas, mas os mesmos números que antes foram descritos como ligeiramente abaixo da meta agora são retratados como estando ao redor da meta. Terceiro, o comitê indica inequivocamente que as mudanças nos mercados de capital e crédito tendem a aumentar a potência da política monetária (parágrafo 13). Por fim, a ata mostra que alguns membros do Copom acreditam que os dados mais recentes e as mudanças nos mercados de crédito e capital podem reduzir o hiato do produto em um ritmo mais rápido do que o antevisto, o que levaria a pressão inflacionária.

• Em suma, a comunicação (o texto, e não as projeções) parece consistente com um plano de voo que levaria a Selic a 4,25% a.a. ao final do ciclo, ou mesmo a manteria estável em 4,5%. Por enquanto, mantemos nossa leitura de que o ciclo se encerrará no patamar 4% a.a. (em 18 de março de 2020), porque avaliamos que as previsões de inflação permitirão esses novos cortes, mas entendemos que, no momento, os membros do comitê podem ter uma visão diferente.
 

Para o relatório completo com gráficos e tabelas, favor acessar o pdf em anexo.



< Voltar