Itaú BBA - Copom perto do fim do ciclo de corte de juros

Conjuntura Macro

< Voltar

Copom perto do fim do ciclo de corte de juros

Março 1, 2018

Em sua última reunião, o Banco Central do Brasil indicou que o ciclo de corte de juros está próximo do fim

A economia brasileira em fevereiro de 2018
 

O banco central reduz a taxa Selic em 0,25pp para 6,75% mas sinaliza que, salvo surpresas positivas, o ciclo de queda deve ser interrompido. A agência de risco Fitch segue a S&P e rebaixa nota de crédito do Brasil. Rio de Janeiro passa por intervenção militar na segurança publica e governo adia votação da reforma da previdência. A atividade econômica vem acelerando, principalmente devido ao estímulo exercido pela política monetária. O PIB cresceu 1,0% em 2017. A inflação segue baixa, com boa composição. O governo central apresentou superávit primário de 31 bilhões em janeiro, e deve cumprir a meta fiscal deste ano sem maiores dificuldades.

Copom perto do fim do ciclo

O Banco Central reduziu a taxa Selic em 0.25 p.p. na primeira reunião do ano e indicou que, na ausência de surpresas positivas nos dados que sinalizem um cenário inflacionário ainda mais benigno, deve interromper o ciclo de queda de juros na reunião de março. No entanto, a inflação segue baixa e com boa composição, o que pode levar a mais uma redução na taxa Selic na reunião de março, embora este não seja nosso cenário base. Projetamos a taxa Selic estável em 6,75% até pelo menos o final de 2018. Será necessário monitorar os dados de inflação de alta frequência no Brasil (e nos EUA), assim como o impacto de tais dados nas expectativas e no cenário prospectivo, a fim de verificar se o Copom poderia optar por adicionar algum estímulo monetário modesto.

Fitch segue S&P e rebaixa nota de crédito do Brasil

A agência de risco Fitch rebaixou a nota de crédito soberano do Brasil de BB para BB- e alterou a perspectiva para estável (de negativo). Com isso, o país fica três níveis abaixo do grau de investimento. Tal como a S&P ja havia sinalizado mês passado, a agência destacou a dificuldade no avanço do ajuste fiscal e a perspectiva de intensificação das incertezas políticas ao longo de 2018.

Rio de Janeiro tem intervenção militar na segurança pública

O presidente Michel Temer decretou intervenção militar na segurança pública do Rio de Janeiro. De acordo com a Constituição, intervenções federais impedem aprovações de emendas constitucionais, o que inviabiliza a votação da reforma da previdência. O governo, que aparentemente não contava com os votos necessários para aprovação mesmo antes da intervenção, anunciou formalmente que não pautará mais a reforma da previdência no curto prazo.

Produção industrial mantém tendência de alta em dezembro

A produção industrial subiu 2,8% em dezembro ante novembro, acima da mediana das expectativas de mercado. Em 2017 houve alta de 2,5%, o maior ritmo de crescimento desde 2010. Os indicadores ligados à formação bruta de capital fixo seguem consistentes com crescimento desse componente da demanda. A produção de bens de capital ficou estável na margem (após sete altas consecutivas) e a produção de insumos da construção civil subiu 5,0% e acumula alta de 7,2% na comparação anual. Os primeiros indicadores coincidentes (confiança da indústria, utilização da capacidade instalada, dados semanais de comércio exterior e consumo de energia, prévias do setor de automóveis, entre outros) sinalizam recuo de 2,1% da produção industrial em janeiro. Cabe notar que a tendência de alta (avaliada pela média móvel de três meses) continuaria mesmo se essa queda for confirmada.

Vendas no varejo crescem 2% em 2017

As vendas no varejo recuaram 1,5% em dezembro, em termos dessazonalizados, resultado abaixo da mediana das expectativas de mercado. Em 2017, houve crescimento de 2,0% nas vendas, ante recuo de 6,3% no ano anterior. O desempenho fraco em dezembro foi disseminado, mas setores mais influenciados pelas promoções (como móveis e eletrodomésticos, e artigos de uso pessoal) foram particularmente importantes para o recuo no mês, ressaltando a relevância da Black Friday para explicar o resultado.

Receita do setor de serviços tem segunda alta consecutiva

A receita real do setor de serviços cresceu 1,3% de novembro para dezembro com ajuste sazonal, marcando a segunda alta consecutiva. O crescimento não foi disseminado (7 de 12 atividades subiram), mas corrobora a nossa visão de que o setor de serviços está acompanhando a recuperação da atividade econômica como um todo.

PIB cresce 1,0% em 2017

O quarto trimestre apresentou crescimento de 0.1% , abaixo da expectativa do mercado (0,3%), e em linha com nossa projeção. Desta forma, o ano de 2017 encerrou com crescimento de 1.0%, após queda de 3,5% em 2016. Destaque para o setor agropecuário que apresentou forte crescimento de 13%. Além disto, os dados do quarto trimestre mostram que o consumo e o investimento continuam em expansão.

Inflação segue baixa e com boa composição

O IPCA-15 de fevereiro subiu 0,38%, resultado próximo das expectativas, levando a taxa acumulada em 12 meses para 2,86%. A inflação de serviços segue em queda, principalmente devido a taxa de desemprego elevada e a menor inércia (inflação passada). Projetamos que o IPCA feche este ano em 3,5%, abaixo da meta do Banco Central de 4,5%.

Superávit primário de R$31 bilhões em janeiro

O governo central registrou superávit de 31 bilhões, impulsionado pela forte arrecadação do mês de janeiro que somou R$ 155,6 bilhões, o que representa um aumento real de 10.7% em relação ao ano anterior. Destaca-se a arrecadação proveniente do Refis, que gerou R$ 7,8 bilhões no mês. Este resultado indica que o cumprimento da meta deste ano se mostra bastante encaminhado.

Ativos financeiros

Em fevereiro, o Ibovespa caiu 2,0 % em dólares e subiu 0.5% em reais. O risco-país medido pelo CDS subiu e terminou o mês em 156pbs. A taxa de câmbio depreciou para 3,24 reais por dólar.

Próximos eventos

O mês de março será marcado pela reunião do Comitê de Política Monetária do Banco Central (Copom) no dia 21, na qual a autoridade pode optar por interromper o ciclo de cortes de juros ou implementar mais um corte de 0,25pp para 6,50%. O noticiário sobre as eleições presidenciais também será destaque, uma vez que o prazo para eventuais candidatos à Presidência se filiarem a algum partido termina no início de abril.



< Voltar