Imprensa



29/10/2013

Itaú Unibanco atinge lucro líquido recorrente de R$ 4 bilhões no 3º tri/13

Fonte: Relações com Imprensa

Retorno sobre o patrimônio líquido (ROE) da instituição foi de 20,9% no período

 

  • No acumulado do ano, o lucro líquido recorrente (excluindo-se efeitos não recorrentes) foi de R$ 11,2 bilhões, com aumento de 5,8% em relação ao mesmo período do ano anterior e rentabilidade sobre o patrimônio líquido de 19,8%. O lucro líquido recorrente do 3º trimestre de 2013 foi de R$ 4,0 bilhões, com aumento de 11,0% em relação ao trimestre anterior e rentabilidade anualizada sobre o patrimônio líquido médio de 20,9%.
  • A carteira de crédito total ajustada* registrou aumento de 9,9% em relação a 30 de setembro de 2012, atingindo R$ 481,0 bilhões. Excluindo-se a carteira de veículos, o crescimento teria sido de 14,3% em doze meses.
  • Crédito imobiliário apresentou evolução de 8,1% no trimestre e consolida Itaú Unibanco como maior financiador de imóveis entre os bancos privados do País.
  • Os índices de inadimplência reduziram-se ainda mais nesse trimestre e estão em seus menores níveis desde a fusão entre Itaú e Unibanco, ocorrida em 2008. A inadimplência de créditos vencidos há mais de 90 dias melhorou 1,2 ponto percentual em doze meses, alcançando 3,9% em setembro de 2013. A inadimplência de curto prazo (para créditos com atrasos entre 15 a 90 dias) também recuou 1,2 ponto percentual, e atingiu 3,0%.
  • As receitas de serviços e seguros seguem em forte ritmo de evolução, com alta de 21,7% no acumulado do ano em relação ao mesmo período de 2012.

O Itaú Unibanco apresentou lucro líquido recorrente de R$ 4,0 bilhões no 3º trimestre de 2013, com aumento de 11,0% em relação ao trimestre anterior e rentabilidade anualizada sobre o patrimônio líquido médio de 20,9%. Nos primeiros nove meses de 2013, o lucro líquido recorrente foi de R$ 11,2 bilhões, com retorno sobre o patrimônio líquido médio de 19,8%. O resultado reflete uma bem-sucedida estratégia do banco de focar em linhas de crédito de menor risco e com maiores garantias.

A carteira de crédito total ajustada* atingiu R$ 481,0 bilhões, com alta de 9,9% em doze meses. No crédito consignado, o aumento foi de 64,0%, com destaque para as operações do Itaú BMG Consignado, além da oferta do consignado na rede de agências. Outro destaque foi o crédito imobiliário a pessoas físicas, que alcançou 34,9% de aumento no mesmo período. A carteira de crédito do banco mostra-se cada vez mais saudável, à medida que essas linhas, de menor risco, apresentam continuadamente os maiores crescimentos. Houve também importante evolução de 16,9% na carteira de grandes empresas. A carteira de créditos na América Latina (excluindo Brasil) atingiu R$ 36,4 bilhões, com alta de 32,4% nesse mesmo período, com destaque para o Chile, que cresceu 29,7% e chegou a R$ 22,7 bilhões, e Uruguai, que apresentou crescimento de 43,8%.

A mudança do mix de produtos, estrategicamente adotada pelo banco, levou à melhora da inadimplência, que ao final do 3º trimestre encontra em seu menor nível desde a fusão entre Itaú e Unibanco, ocorrida em novembro de 2008. O índice medido por créditos vencidos há mais de 90 dias apresentou melhora de 0,3 ponto percentual no trimestre e 1,2 ponto percentual em 12 meses, passando de 4,2% e 5,1%, respectivamente, para 3,9%. Os efeitos da estratégia de menor risco também se refletem na inadimplência de curto prazo (15 a 90 dias de atraso), que apresentou melhora de 0,4 ponto percentual no trimestre e de 1,2 ponto percentual em 12 meses, passando de 3,4% e 4,2%, respectivamente, para 3,0%. O restabelecimento desses índices em níveis controlados ocasionou significativa redução das despesas de provisões para créditos de liquidação duvidosa. Assim, o resultado de créditos de liquidação duvidosa dos primeiros nove meses de 2013, líquido das recuperações de créditos, reduziu-se 28,1% em relação ao mesmo período de 2012. “A performance das nossas operações está muito equilibrada e sadia, refletindo-se em resultados positivos no trimestre e em boas perspectivas”, afirma Rogério Calderón, diretor Corporativo de Controladoria e Relações com Investidores do Itaú Unibanco.

Nos primeiros nove meses de 2013, as receitas de serviços e seguros cresceram 21,7% sobre o mesmo período do ano anterior, como resultado de uma estratégia para o aumento dessas receitas. “Tivemos bom crescimento das receitas com serviços por meio de novas adesões aos pacotes do Itaú Uniclass, por exemplo, com serviços diferenciados que agregam mais valor para o cliente”, explica Calderón. O índice de cobertura das despesas, que indica a capacidade de cobertura das despesas não decorrentes de juros somente com as receitas de serviços e resultado de seguros, atingiu 80,5% no 3º trimestre, o melhor nível já registrado desde a fusão.

O Itaú Unibanco vem explorando bastante o mercado de cartões, um de seus principais produtos. “Os novos hábitos de consumo e também a forma de comprar e vender evoluem muito rapidamente, o que traz inúmeras possibilidades para o mercado de cartões de crédito e débito. Nesse contexto, recentemente, adquirimos 100% da Redecard, agora com a marca Rede, o que uniu a expertise da empresa com a nossa capacidade de distribuição. Além de reposicionarmos a marca, adotamos uma nova estratégia de relacionamento que prioriza a proximidade com os clientes. Outra inovação foi o lançamento da bandeira Hiper, que já nasce com grande força e tem o diferencial de 120% da anuidade ser convertida em bônus para celular. Ampliar nossa relação com os lojistas e consumidores, através de novas soluções de meios de pagamento, vai fortalecer ainda mais nossas operações nesse mercado, onde já atuamos como emissor, bandeira e adquirente”, diz Calderón.

O índice de Basileia manteve-se em 17,5%, reafirmando a sólida posição de capital do Itaú Unibanco.

"Os resultados deste período reafirmam a importância do equilíbrio desenhado pelo banco e o acerto na estratégia, que tem foco nas carteiras de menor risco, ampliação da oferta de serviços e disciplina no controle dos custos, consolidando a força do nosso capital, fortalecendo nossas operações e agregando continuamente valor aos clientes e acionistas”, finaliza o executivo.

Como reconhecimento de sua atuação, o Itaú Unibanco foi eleito para compor o Dow Jones Sustainability World Index (DJSI), em sua edição 2013/2014, pela 14ª vez consecutiva, sendo a único banco latino-americano a participar da composição do índice desde a sua criação em 1999. Composto por ações de empresas de reconhecida sustentabilidade corporativa, capazes de criar valor para acionistas e gerenciar os riscos, o índice considera a qualidade de gestão da empresa como forma de sustentabilidade perene. Nesta última edição, o banco atingiu a melhor nota do setor em “Política Anticrime/Medidas”, “Gerenciamento de Marca” e “Estabilidade Financeira e Risco Sistêmico”.

* A carteira de crédito total ajustada inclui avais, fianças e títulos privados.

 

Conceito contábil

No conceito contábil, que inclui os efeitos não recorrentes, o lucro líquido do 3º trimestre também foi de R$ 4,0 bilhões, com evolução de 11,5% em relação ao trimestre anterior e totalizou R$ 11,1 bilhões nos primeiros nove meses de 2013, com alta de 9,4% em relação ao mesmo período do ano anterior.

 

Mais informações sobre os resultados estão disponíveis no site do Itaú Unibanco www.itau-unibanco.com.br/ri.

 

 

 

Veja Também

Não existem elementos anteriores que mostrar

Veja mais