Imprensa



30/07/2013

Itaú Unibanco alcança lucro líquido de R$ 7,1 bilhões no 1º sem/2013

Fonte: Relações com Imprensa

Resultados do banco confirmam a tendência de queda da inadimplência

• O lucro líquido recorrente (excluindo-se efeitos não recorrentes) do 1º semestre de 2013 foi de R$ 7,1 bilhões, com rentabilidade anualizada sobre o patrimônio líquido médio de 19,3%. O lucro líquido contábil também totalizou R$ 7,1 bilhões, com evolução de 4,8% em relação ao mesmo período do ano anterior. No segundo trimestre de 2013, o lucro líquido recorrente foi de R$ 3,6 bilhões, com crescimento de 3,1% e rentabilidade anualizada sobre o patrimônio líquido médio de 19,3%.
• A carteira de crédito total ajustada (que inclui avais, fianças e títulos privados) registrou aumento de 8,0% em relação ao mesmo período do ano anterior, atingindo R$ 467,5 bilhões.
• Os índices de inadimplência alcançaram os menores níveis desde a fusão entre Itaú e Unibanco. A inadimplência de créditos vencidos há mais de 90 dias melhorou 1,0 ponto percentual em doze meses, alcançando 4,2% em junho de 2013. A inadimplência de curto prazo (para créditos com atrasos entre 15 a 90 dias) recuou 1,1 ponto percentual no mesmo período, e atingiu 3,4%.
• As receitas de serviços e seguros cresceram 19,3% em relação ao mesmo período do ano anterior.
• O patrimônio líquido cresceu 2,1% desde dezembro de 2012, atingindo R$ 75,8 bilhões.

A mudança no perfil de crédito da carteira do Itaú Unibanco, que propiciou a redução no índice de inadimplência para 4,2%, aliada ao continuado foco no controle de despesas e eficiência, levou o banco a atingir lucro líquido recorrente de R$ 7,1 bilhões no 1º semestre de 2013 e retorno sobre o patrimônio líquido médio de 19,3%.
A carteira de crédito total ajustada atingiu R$ 467,5 bilhões, com alta de 8,0% em 12 meses. Linhas de financiamento como crédito imobiliário a pessoas físicas e crédito consignado continuam ganhando participação e apresentaram crescimentos de 32,4% e 58,6%, respectivamente, em relação à mesma data de 2012. Houve, também, importante evolução de 15,8% na carteira de grandes empresas e, no âmbito internacional, a carteira de crédito de Latam (excluindo Brasil) atingiu R$ 34,4 bilhões, com evolução de 37,8%.
As iniciativas adotadas pelo banco visando à melhora da qualidade da carteira de crédito se mostraram eficientes. O índice de inadimplência medido por créditos vencidos há mais de 90 dias alcançou 4,2% em junho de 2013, menor índice registrado desde a fusão entre Itaú e Unibanco, com melhora de 0,3 ponto percentual no trimestre e de 1,0 ponto percentual em 12 meses. A queda na inadimplência resultou em redução de 20,2% nas despesas de provisões para créditos de liquidação duvidosa, que somaram R$ 9,9 bilhões no primeiro semestre de 2013. O resultado de créditos de liquidação duvidosa, líquido das recuperações de créditos, reduziu-se 24,9% em relação ao mesmo período de 2012.
“O pico da inadimplência ficou para trás. Nosso índice já é o menor desde a fusão. Além da inadimplência em patamares controlados, nossos custos evoluíram abaixo da inflação em 12 meses. Isso demonstra nossos esforços bem sucedidos do ponto de vista operacional, com crescimento seletivo e boa qualidade de crédito”, afirma Rogério Calderón, diretor Corporativo de Controladoria do Itaú Unibanco.
No 1º semestre de 2013, as receitas de serviços e seguros cresceram 19,3% sobre o mesmo período do ano anterior. O crescimento dessas receitas, juntamente com o controle das despesas e a alteração do mix de produtos, caracteriza a estratégia do Itaú Unibanco frente ao cenário atual. “Criamos uma série de produtos que agregam valor para o cliente, sem onerá-lo por isso. Um exemplo é a Maxi Conta Bônus Celular, que dá ao cliente mais créditos no celular do que o valor pago por ele”, explica Calderón.
O índice de Basileia alcançou 17,5%, com crescimento de 0,6 ponto percentual desde a mesma data de 2012, demonstrando a sólida posição de capital do Itaú Unibanco. “Nosso resultado reforça o equilíbrio do mix que havíamos planejado há algum tempo, com foco nas carteiras de menor risco. Com a boa posição de capital que temos, e a maior eficiência de nossas operações, vamos considerar as oportunidades que possam gerar ainda mais valor aos clientes e acionistas”, conclui Calderón.

Operações em destaque:
Em linha com a estratégia de crescer em receitas de serviços, o Itaú Unibanco anunciou a compra da Credicard por R$ 2,8 bilhões. Essa operação reforça a liderança do banco no mercado de cartões de crédito e reflete o seu compromisso com o desenvolvimento do país, ao promover a bancarização da população, para a qual o cartão representa acesso fácil ao crédito.
Ao final do 1º semestre de 2013, o Itaú Unibanco deu passos importantes para expandir suas operações na América Latina. Em junho, assinou um acordo com a rede de varejo Cencosud para desenvolver conjuntamente negócios de financiamento ao consumo, que visam impulsionar as atividades de cartões de crédito, e favorecer mais de 3 milhões de clientes que acessarão novos produtos e serviços financeiros no Chile e na Argentina. Poucos dias depois, o banco também anunciou um acordo de compra das operações de varejo do Citibank no Uruguai, assumindo assim um portfólio de mais de 15 mil clientes com contas bancárias.
Para o Itaú Unibanco, estes acordos (sujeitos à aprovação pelos órgãos reguladores) permitem acelerar seu plano de crescimento, fortalecendo significativamente a atuação em países considerados estratégicos para o banco.
Mais informações sobre os resultados estão disponíveis no site do Itaú Unibanco www.itau-unibanco.com.br/ri.

Veja Também

Não existem elementos anteriores que mostrar

Veja mais