Economizando em tempos de pandemia

5/01/2021 - 4 min de leitura


Ao longo do último ano, o isolamento mudou completamente o nosso cotidiano e fez muita gente gastar de um jeito diferente. Ou seja: se antes da pandemia a diversão ficava por conta daquele passeio no final de semana, agora a coisa é outra.

Para dar dicas sob medida sobre como economizar nesse novo cenário, o Itaú foi entender melhor como a pandemia afetou os hábitos de consumo dos clientes. Para isso, comparamos os dados das transações feitas com Itaucard e nas maquininhas da Rede em 2020 com as informações referentes a 2019. Ficou curioso pra ver no que isso vai dar?

Veja o que mudou na pandemia e confira nossas dicas:

 

1 – Gastamos mais em casa (e com a casa)

 

A pandemia fez com que muita gente passasse mais tempo em casa, principalmente entre quem fez a transição para o trabalho remoto. Sem ter que ir para o escritório, os gastos com transporte urbano1 caíram 38,6%.

Essa mudança de ambiente trouxe um aumento nos gastos do dia a dia como as despesas com mercado, que tiveram um crescimento de 23,6%.

Além disso, adaptar a realidade do trabalho para o lar fez com que algumas pessoas precisassem investir em melhorias ou móveis para casa, o que inseriu novos gastos no orçamento mensal. Essa necessidade não só fez com que as despesas com móveis e itens de escritório aumentassem 39%, mas também levaram a um crescimento de 28,8% nos gastos com materiais de construção.

Para manter a saúde financeira no meio disso tudo, um cuidado fundamental é planejar essas compras. Preparar uma lista dos itens necessários é sempre uma boa forma de evitar o excesso de gastos, por exemplo.

Outra coisa que pode contribuir para reduzir os gastos é avaliar se há programas de fidelidade ou dias com desconto nos mercados da sua região. Fazendo isso, você aproveita as ofertas e economiza um pouco mais.

 

2) Experimentamos outras formas de lazer

 

Sem poder participar daquela aglomeração com os amigos ou sair com a família, os gastos com lazer2 caíram 72% e despesas com turismo3 tiveram uma redução de 43,8%. Isso significa que nossos clientes frequentaram bem menos lugares como cinemas, parques, boliches, casas de show e teatros. Já os gastos com bares e baladas, por sua vez, caíram 33% ao longo do último ano.

Pelo distanciamento social, surgiu a necessidade de reinventar as formas de se divertir – e foi assim mesmo para os clientes Itaú em 2020. Em um período difícil, vimos um aumento de 40,4% no valor transacionado com streaming, livros, games e instrumentos musicais.

A gente sabe que ficar isolado não é fácil, principalmente quando precisamos distrair um pouco a cabeça. Por esse motivo, pode ser fácil se empolgar e perder um pouco o controle das contas. Manter muitas assinaturas de serviço de streaming ao mesmo tempo ou fazer pequenas compras de itens de entretenimento com frequência, como livros e jogos, pode apertar as contas do mês.

Para não deixar de curtir bons momentos em casa mantendo as contas em ordem, é importante estabelecer um valor limite para esse tipo de gastos e manter um bom acompanhamento ao longo do mês.

 

3) Compramos mais sem sair de casa

 

A segurança e a comodidade de fazer compras online ou por delivery facilitaram bastante a vida em 2020. Em meio ao isolamento, vimos um aumento de 31% no consumo de alimentos nos apps de delivery e o crescimento de 19,4% nas transações realizadas pela internet.

Em momentos de cansaço ou quando se recebe muitos alertas e promoções, pode ficar difícil resistir a toda essa comodidade. Quando isso se repete no dia a dia, pode atrapalhar ainda mais as contas do mês.

Uma boa dica para lidar com essas tentações das compras online e dos aplicativos de comida é reduzir os estímulos para consumir.

Confira as configurações de notificações e a frequência de envio de e-mails dos sites e lojas das quais você costuma comprar e receber mensagens. Assim fica mais fácil só recorrer a essas plataformas quando você realmente quer ou precisa.

__

E aí, se identificou com esses comportamentos? Conta pra gente nas redes sociais.

Se quiser mais informações, acesse o estudo na íntegra aqui.

 

 

 

1 - Transporte urbano: Bilhete único, estacionamento, transporte de passageiros (Uber e táxi)

2 - Lazer: Cinemas, parques, boliches, casas de show, teatros, etc.

3 - Turismo: hotéis, agências de viagem e transportes (aéreo, marítimo e ferroviário)